Foto Wellingta Macedo

Waldemir Soares Junior da Assessoria Jurídica da CSP-Conlutas

O PSTU participou do X Fórum Social Pan Amazônico em Belém do Pará realizado entre os dias 28 e 31 de julho, e foi representado pela candidata a vice-presidente Kuna Yapora Tremembé. Estiveram presentes diversos lutadores sociais e ambientais da América Latina, num importante momento de unidade entre forças políticas de oposição ao atual presidente Jair Bolsonaro.

Apesar de sua importância, o X FOSPA, como é conhecido, avançou pouco no debate sobre enfrentamento ao sistema econômico. Dominado por organizações que mais se preocupam com o processo eleitoral, a luta contra o capitalismo e Jair Bolsonaro foi prejudicada.

Mas isso não pode frear os revolucionários. A conjuntura política impõe que nossa organização dispute todos os espaços para levar nosso programa ao melhor da vanguarda política.

Foi o que fizemos. A proteção dos povos e do meio ambiente não acontecerá sem o duro combate ao capitalismo. Especialmente, o brasileiro, cada vez mais refém do agronegócio transnacional.

A partir disso, defender a estatização das maiores empresas do Agro é a primeira tarefa. Somente sob o controle dos trabalhadores, as agroindústrias terão a proteção dos povos e do ambiente como prioridade. E isso partindo de uma política de Estado e controle da produção do setor.

A segunda tarefa é demarcar todos os territórios indígenas derrubando e sepultando a Tese do Marco Temporal, respeitando a autonomia dos povos, enfrentando o latifúndio, a grilagem de terras públicas, a mineração e a exploração florestal ilegais.

A terceira é a Reforma Agrária ampla e irrestrita, com expropriações de terras utilizadas pelo tráfico de drogas, trabalho escravos, crimes ambientais, para garantir acesso a território e terra para quilombolas e camponeses de forma coletiva garantindo, além de renda e moradia digna para essas comunidades, a produção de alimentos para combater a fome.

Tendo a produção agrícola industrial sob o controle dos trabalhadores e do Estado, os indígenas protegidos em seus territórios e os quilombolas e camponeses em suas comunidades, estaremos no caminho para o equilíbrio entre a produção econômica e a proteção dos povos e o meio ambiente.

Uma tarefa não exclui a outra. Mas as três não encontram defesas nos Programas Políticos dos presidenciáveis Lula (PT), Jair Bolsonaro (PL), Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB). E sem elas os ataques aos povos das florestas e ao meio ambiente continuarão, em menor ou maior escala, até o ponto do não retorno. Dialogando com Ailton Krenak, essas são “nossas ideias para adiar o fim do mundo”.