Cronologia do caso Dorothy Stang

  • Junho de 2004
    A irmã Dorothy Stang viajou a Brasília para denunciar as ameaças que vinha sofrendo. O governo destacou apenas assessores dos Ministérios da Justiça e dos Direitos Humanos para conversar com a freira, que entregou uma carta de próprio punho afirmando: “Pistoleiros soltos, madeireiros derrubando! (…) A Polícia Federal não está visivelmente presente em Anapu. Ninguém sabe onde estão”.
    Nova denúncia foi encaminhada em 15 de junho, desta vez pelo Ministério Público Federal, com a seguinte advertência: “Merece destaque, ainda, a situação de risco em que se encontra a vida da missionária (…) Dorothy Stang, em meio ao fogo cruzado”. As denúncias também foram levadas ao Congresso, à CPI da Terra, ao Incra e a uma infinidade de órgãos públicos. A última denúncia foi apenas uma semana antes do assassinato, quando Dorothy se reuniu com o ministro dos Direitos Humanos, Nilmário Miranda.

  • 12 de janeiro de 2005
    A missionária é morta com seis tiros, em plena luz do dia e na presença de várias testemunhas.

  • 15 de janeiro de 2005
    No mesmo dia do enterro da freira, outros dois agricultores são mortos no Pará (ao lado).

  • 16 de janeiro de 2005
    Tropas do Exército são destacadas para a região. O plano é enviar dois mil soldados.

  • 17 de janeiro de 2005
    Governo apresenta um pacote (improvisado) interditando 8,2 milhões de hectares, para unidades de conservação.

  • 18 a 21 de janeiro de 2005
    São presos os primeiros acusados. Suspeito de ser o mandante, o fazendeiro Valdomiro Bastos está foragido. Ninguém é detido pelas outras mortes.

    Post author
    Publication Date