Construir a greve unificada para derrotar a reforma

As mobilizações nas universidades crescem devido à crise financeira dessas instituições e a ameaça da reforma UniversitáriaA greve das estaduais paulistas, exigiu maiores salários e verbas, se posicionou contra a reforma Universitária de Lula.

Os funcionários federais, por sua vez, já ultrapassam os 50 dias de greve, enfrentando a intransigência do governo. Os estudantes da Universidade Federal da Bahia iniciaram uma greve no dia 15 de julho e ocuparam a reitoria.

Agora é a vez dos professores que, atendendo ao chamado do Andes, iniciaram uma greve por tempo indeterminado no dia 5 de agosto.

Temos agora que transformar essas lutas em uma greve nacional, unificando estudantes, professores e funcionários.

Coneg da UNE: do jeito que o governo gosta

A UNE é hoje uma entidade que ajuda o governo a implementar a reforma e por isso está longe das lutas que estão acontecendo nas universidades.

Esse fato se comprovou, mais uma vez, no Conselho Nacional de Entidades Gerais, realizado de 5 a 8 de agosto e que foi um palco para a defesa do governo e da reforma, culminando em um ato em Brasília no dia 11.

Conlute prepara mobilizações

A Coordenação Nacional de Luta dos Estudantes (Conlute), formada no Encontro Nacional contra a Reforma, está ajudando a construir uma série de mobilizações nas próximas semanas para dar seqüência à luta contra a reforma Universitária.

“É um erro a postura de setores como a esquerda petista, que querem limitar a luta aos fóruns da UNE, se depender dessa entidade a reforma vai passar. É por isso que a UNE não fala em nosso nome”, explica Thiago Hastenreiter, coordenador do DCE da UFRJ, entidade que compõe a Conlute.

SAIBA MAIS

Atos contra a reforma

  • Porto Alegre: dia 18 na Praça Argentina a partir das 9h

  • Salvador: dia 20 na reitoria da UFBA a partir das 9h

  • São Paulo: dia 20 no MASP a partir das 10h

  • Belém: dia 22 na Praça da República a partir das 9h

  • Rio de Janeiro: dia 25 ato no IFCS a partir das 10h

    Post author Júlia Eberhardt, da Coordenação da Conlute e diretora da UNE pela oposição
    Publication Date