Carta às mulheres hondurenhas

Leia a carta de solidariedade que a Comissão Internacional de Mulheres da LIT-QI enviou às mulheres de Honduras que estão enfrentando o golpe nas ruas. A carta repudia a repressão que o povo está sofrendo, especialmente a ocorrida no dia 30 de julho, que Estimadas companheiras,
Feministas em Resistência e
Centro de Estudos da Mulher em Honduras

A Comissão Internacional de Mulheres da LIT-QI (Liga Internacional dos Trabalhadores – Quarta Internacional) envia nossa solidariedade à luta de resistência do povo hondurenho contra o golpe e, nosso mais enérgico repúdio à brutal repressão sofrida em Tegucigalpa na quinta-feira, dia 30 de julho.

Queremos destacar a importância da integração das mulheres trabalhadoras e camponesas à luta de resistência, levando em conta que o golpe certamente aumentará todo o tipo de violência contra as mulheres pobres e trabalhadoras e que a repressão contra as mulheres lutadoras aumentará. Estamos junto a vocês e alimentamos esperanças de vitória.

Nossas companheiras e companheiros estão levando adiante, em grande parte dos países da América Latina e da Europa, uma forte campanha de denúncia do golpe reacionário e, de solidariedade com a luta do povo hondurenho.

Juntamente com os trabalhadores e o povo hondurenho exigimos a imediata restituição do presidente eleito Mel Zelaya, sem nenhuma condição, o fim de toda repressão, liberdade aos presos políticos, julgamento e castigo aos responsáveis pelo golpe e a convocação de uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana. Exigimos de nossos governos a ruptura das relações políticas e econômicas com Honduras até que os golpistas sejam derrotados.

Ao mesmo tempo, tornamos pública nossa rejeição às negociações encabeçadas pelo presidente Arias da Costa Rica e respaldadas pelo governo de Obama, que tenta condicionar o regresso do presidente Zelaya às exigências tais como a não convocação da Assembléia Constituinte, a impunidade dos golpistas e a preservação da cúpula militar.

Companheiras, reafirmamos nossa solidariedade com a luta de vocês e nos colocamos a disposição para toda atividade de divulgação e propaganda que vocês considerarem necessária.