Candidato do PSTU em Porto Alegre fica entre os mais votados

Votação para a prefeitura também aumenta e fortalece uma alternativa de esquerdaEstá encerrada a apuração dos votos em Porto Alegre (RS). A candidata a prefeita pela Frente de Esquerda (PSTU-PCB) Vera Guasso ficou com 0,78% dos votos válidos.

Já nas eleições para a Câmara Municipal, Julio Flores, candidato a vereador do PSTU, fez a excelente votação de mais de 4.800 votos, ficando em 35º lugar. Na Câmara de Porto Alegre, entram 36 vereadores. Em 2004, esta mesma situação aconteceu. Julio só não é um vereador socialista por causa do quociente eleitoral.

Esta é apenas mais uma regra que prova a falta a de democracia nas eleições. Por mais que os governos e os ricos digam que a eleição é o momento de o povo decidir, a votação de Julio e o fato de ele não ser eleito mostra que a vontade da população não foi respeitada.

Uma mulher de luta e socialista
Apesar de parecer pequeno, os resultados do PSTU e da Frente de Esquerda representam um crescimento. Este ano, a coligação não contou com o PSOL.

A campanha esbarrou em inúmeras dificuldades. Uma delas é motivo de orgulho para o partido, segundo declarou Vera por telefone ao Portal do PSTU. “A nossa foi a única candidatura que não recebeu dinheiro de empresas, que manteve a independência financeira e política”, falou a candidata.

Uma segunda dificuldade foi o impedimento da participação de Vera nos debates de TV. A Frente de Esquerda, que já tinha um curto tempo de propaganda na TV, não teve a oportunidade de confrontar as outras candidaturas nas emissoras para o quase 1,5 milhão de habitantes da cidade.

Em termos de receptividade por parte da população, Vera afirma que houve um salto do partido. “A gente cresceu muito em apoio popular, fizemos uma campanha diferente, fomos coerentes o tempo todo”, disse, “a população nos via como aqueles que falavam a verdade, que cobravam os empresários e o governo”.

Perguntada sobre o saldo dessa eleição, Vera disse que “há lutas grandes pela frente”. Para ela, uma alternativa de esquerda se consolida na capital gaúcha. “A candidatura da Frente foi um marco na cidade porque manteve a coligação com o PCB, apesar da negativa do PSOL em construir essa alternativa, porque foi a única que não recebeu dinheiro de empresários nem de governos, e isso consolida a nossa posição na cidade”, comemora a candidata.

O segundo turno em Porto Alegre será disputado pelo atual prefeito José Fogaça (PPS) e pela petista Maria do Rosário, apoiada por Lula. Infelizmente, em Porto Alegre, nada mudará para melhor. Pelo menos não para os trabalhadores e para o povo pobre.

Atualizada em 8/10/2008, às 9h40