Ato em Belo Horizonte comemora os 90 da Revolução Russa

Estudante canta A Internacional de punho erguido
PSTU-MG

Com a presença de cerca de 200 trabalhadores e jovens, aconteceu um combativo ato relembrando a Revolução Russa de 1917. A mesa foi composta por Gloria Ferreira, dirigente do DCE da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Efraim Moura, que atua no movimento da mineração.

Representantes da Conlutas, do PSTU, do PSOL e da Consulta Popular fizeram uma saudação ao ato. Todos reivindicaram a importância de relembrar as lições da Revolução de Outubro hoje em dia, quando a maioria da esquerda mundial abandonou a perspectiva da revolução socialista e passou para o lado da burguesia.

Depois, fez uso da palavra o convidado da noite, Valério Arcary, que, durante mais de uma hora, explicou detalhadamente as principais lições da Revolução Russa: o proletariado como sujeito social da revolução, a necessidade da luta pelo poder, o partido leninista, o internacionalismo proletário (a impossibilidade do socialismo num só país) e a atualidade destas lições.

Foi aberta a palavra à platéia. Após algumas perguntas, Valério concluiu o ato demonstrando confiança na vitória da revolução socialista e conclamou todos os presentes a engajaram-se na luta partidária para preparar tal revolução.

Por último, encerrou-se o ato com todos cantando, de punhos erguidos, A Internacional, hino da classe trabalhadora mundial.