Argentina: Justiça aprofunda perseguição a Sebastián Romero

PSTU-Argentina

Na madrugada desse 17 de abril, a casa do nosso companheiro Demián Romero, reconhecido dirigente antiburocrático dos trabalhadores da educação e do PSTU em Neuquén, foi invadida.

Este é um novo ato de perseguição e ameaça, encabeçada judicialmente pelo Juiz Federal Sergio Torres, no contexto de perseguição política a Sebastián Romero, iniciada depois da mobilização do dia 18 de dezembro contra a reforma da Previdência. Tudo isso com um processo judicial no qual se recusam a mostrar os arquivos para saber de quais mentiras Sebastián Romero é acusado e quais são as provas contra ele. É parte do avanço repressivo do governo contra os trabalhadores e o povo.

Além das muitas ameaças a Sebastian e a nossa organização, que circularam através das redes sociais e as intimidações físicas sofridos pela família de Sebastian em Rosário, cabe recordar o ataque à família de Germán Tonero reconhecido representante da General Motors Rosário e membro do PSTU e o subsequente atentado a um dos advogados de Sebastián, Martín Alderete, sobre o qual a Justiça nunca investigou.

Essa mesma Justiça é a que nega a nossos advogados ter acesso à causa e vem negando para Sebastian a absolvição de prisão, que foi novamente apresentada como um recurso extraordinário no Supremo Tribunal Federal e, se necessário, irá ser objeto de recurso para a Corte Interamericana de Direitos Humanos.

O que aconteceu nesse dia 17 se soma a esta longa lista de intimidações, com os quais eles pretendem frear a luta contra a perseguição. Sebastián se transformou em um símbolo de resistência contra o plano de fome de Macri e do chamado para continuar a luta até derrotar o governo. Esse símbolo que expressa a revolta e vontade de lutar centenas de milhares é o que o governo Macri e sua servil Justiça querem banir.

Apelamos a todas as organizações sindicais, políticas, sociais e de Direitos Humanos para denunciar este ataque, se solidarizar e continuar a campanha contra a perseguição de Sebastian Romero, como parte da campanha para a liberdade de todos presos políticos e contra a perseguição a todos os lutadores.

Tradução: Lena Souza