A necessária independência dos trabalhadores

A crença no “socialismo chavista” é mais uma ilusão no caminho dos trabalhadores. No passado, a social-democracia européia falava em socialismo “em dias de festa” para continuar administrando o capitalismo. A burocracia stalinista falava também em socialismo para preservar seus privilégios materiais e um regime que nada tinha a ver com o socialismo.

O governo de Chávez é a reedição do nacionalismo burguês, agora muito mais limitado pelos efeitos da globalização. É verdade que tais governos tiveram choques políticos com o imperialismo, o que todavia não os caracterizava como “socialista”. E terminaram produzindo grandes derrotas dos trabalhadores.

A independência dos trabalhadores em relação a esses governos burgueses é uma necessidade fundamental para a revolução latino-americana.

Essa é uma questão chave para a Venezuela. O governo pretende acabar com qualquer autonomia do movimento operário do país. É isso que está por trás da proposta de criação do PSUV (Partido Socialista Único da Venezuela), cujo objetivo é reunir todos os partidos e organizações de esquerda numa única organização política, sob o controle de Chávez e com dirigentes integrados ao aparato do Estado. Uma política muito semelhante à adotada pelo peronismo na Argentina, nos anos 40, para controlar o movimento de massas.

O socialismo não poderá vir pelas mãos do nacionalismo burguês, mas sim da luta política independente da classe operária. Como dizia Engels, “a emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores”.

Post author Da redação
Publication Date