Zé Maria defende que nova entidade não seja apenas uma central sindical

Zé Maria de Almeida, da coordenação da Conlutas, fez a primeira fala, em nome da Federação Sindical e Democrática dos Metalúrgicos de Minas Gerais (FSDMG). Ele defendeu que o Conat deve transformar a Conlutas em entidade para dar um passo adiante frente aos novos desafios do movimento – Super-Simples, reforma sindical e trabalhista, etc. “É preciso fortalecer a estrutura que já estamos construindo”, disse.

Mas a transformação da Conlutas não significa fechar as portas para futuras adesões. “É preciso trazer para essa nova entidade mais movimentos sociais, desempregados, e tentar ganhar os sindicatos que ainda estão com os pelegos para a luta”, afirmou.

Zé Maria,que é presidente do PSTU, defendeu ainda que a Conlutas tenha uma direção sem mandato fixo, com representantes por entidade, e que não seja uma central sindical. Isso porque a tarefa de representar toda a classe trabalhadora ficaria comprometida, já que a maioria não está em empregos formais. Ele concluiu: “A Conlutas deve ser uma organização de novo tipo, que apóie todas as lutas, com um programa que expresse as demandas de todos os setores”.

Leia sobre os outros palestrantes do painel “A Conlutas, a amplitude de sua composição e os desafios da sua construção”

  • Leandro Soto, da Conlute, resgata a solidariedade entre estudantes e trabalhadores
  • Elias Alfredo afirma que Conlutas pode ser uma nova referência para a luta racial
  • João Batista, do MTL, defende unidade do campo e da cidade
  • Para Soraya Menezes, entidade deve abraçar luta contra o preconceito