Uma ‘democracia popular´?

Muitos defensores do regime castrista alegam que existe uma “democracia popular” em Cuba, diferente da democracia burguesa. Discordamos dessa opinião.

O regime cubano é uma ditadura que proíbe liberdades democráticas elementares como a organização de sindicatos independentes, greves, jornais autônomos, publicação de livros e até viagens a outros países.

Atualmente seria impossível existir legalmente uma entidade independente como a Conlutas em Cuba, ou um partido socialista de oposição ao regime. Não pode haver uma verdadeira “democracia popular” sem que os trabalhadores tenham o direito de formar sindicatos, organizar uma greve ou um partido independente do regime.

O caráter antidemocrático do regime cubano não é o resultado necessário de uma “fortaleza socialista” que se defende de uma agressão externa, mas sim uma ferramenta a serviço da política da cúpula castrista que restaurou o capitalismo e destrói as conquistas da revolução.

Por outro lado, a manutenção de um regime ditatorial em Cuba é uma garantia para os investimentos estrangeiros. Afinal, dificilmente trabalhadores cubanos do grupo empresarial espanhol Sol Meliá, ou da Etecsa, terão permissão para realizar uma greve por melhores salários.

Onde está o poder popular?*

“Andando por Havana, topei com uma Assembléia do Poder Popular. Nessa época estavam sendo definidos os pré-candidatos que concorreriam, em chapa única, às eleições de julho.

Cada quarteirão tem um Comitê de Defesa da Revolução (CDR) que, longe de ser um instrumento da democracia popular, é um braço policial do regime para controlar o povo.

Os habitantes são coagidos a estarem nas ‘assembléias’, sob pena de ficarem marcados junto ao CDR e assim perderem seus empregos e suas casas.
No ‘poder popular’ não se discutem nem as questões nacionais, nem os miúdos e concretos problemas do cotidiano de um bairro que está caindo aos pedaços (tema levantado por vários participantes). A assembléia terminou com a eleição de um delegado, votado por uma parte da plenária. Parte dos presentes não votou em ninguém.”

*Trecho da reportagem “Entre a fome e o ódio”, de Ernesto Guerra, publicada no Correio Internacional n°67.

Post author da redação
Publication Date