Sindicato dirigido pela CUT, entrega campanha salarial

Miguel Malheiros, de Niterói (RJ)

No dia 6 de maio o Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói e Itaboraí, dirigido pela CUT, entregou a campanha salarial da categoria para a patronal. O sindicato colocou a proposta das empresas quatro vezes para votação. Em três delas, dois terços dos trabalhadores votaram contra. Na quarta, o sindicato decretou: está aprovada a proposta. Logo a seguir encerrou a assembleia e sepultou a campanha salarial.
O Opinião conversou com Paulinho e Heleno, dirigentes da Oposição da Conlutas nos metalúrgicos da região.

Opinião Socialista: O que aconteceu com a campanha salarial?
Paulinho: A questão é essa, não aconteceu. E 2009 a campanha salarial não aconteceu. Teve boletim da campanha que não falava nem qual era o índice de reajuste. Não teve reunião por fábrica, por estaleiro… fizeram até assembleia de mentirinha: marcaram uma assembleia no 1º de abril, mas não apareceram nem pra dizer aos trabalhadores que era brincadeirinha.

Os estaleiros estão com grana. O governo segue repassando dinheiro do BNDES. Até por isso a proposta da Oposição/Conlutas era centrar na luta por aumento salarial digno; aumento no tíquete e igual pra todo mundo; gatilho salarial de 3%; estabilidade no emprego: que não saia dinheiro do governo pra financiar obra – navio plataforma, seja lá o que for – sem a contrapartida em estabilidade no emprego para o peão.

Mas eles demonstraram que são fiéis seguidores do Lula quando ele disse que não tem de brigar por salário…

Heleno: Mas o peão “tá rangendo” os dentes. O reajuste foi uma miséria: 7%. Mesmo valor de reajuste do tíquete alimentação. Não tem dúvida: eles entregaram a campanha salarial para a patronal.

Como a Oposição/Conlutas atuou nesse período?
Heleno: Olha, estivemos na porta dos estaleiros dialogando com os trabalhadores. Distribuímos panfletos… Mais que o sindiquieto/CUT. Estávamos ali na base, tentando construir a campanha, disputando posição e construindo a campanha.

Já o carro de som do sindicato não foi ligado uma única vez na porta de um estaleiro para fazer a campanha. Disposição de luta é que não faltava. No Mauá-Caximbau, a peãozada parou duas vezes, por fora do sindicato, exigindo melhores condições pra trabalhar, quando o sindicato apareceu foi pra negociar o fim da greve, que a base tinha feito sem eles…

Paulinho: Estamos pedindo ajuda a própria peãozada pra fazer nossos materiais, promovendo atividades como a Costela no Bafo, para arrecadar grana. A oposição é financiada assim.

Esse trabalho na base é chave, até porque com essa crise econômica aí, não descartamos ter de exigir uma campanha salarial de emergência no segundo semestre, ou melhor, que seja uma verdadeira campanha salarial.

Post author
Publication Date