Resolução da Conlutas sobre a crise no Senado brasileiro

Texto foi aprovado na reunião nacional da Conlutas, nos dias 25 e 26 de julho, no Rio de JaneiroFora Sarney, pelo fim do Senado e por uma Câmara única

O Senado Brasileiro está mergulhado numa profunda crise ética e de moralidade pública, com atos não normatizados e todas as formas de utilização espúria do dinheiro público partilhado entre os mandatários do Senado brasileiro, conforme obriga-se a denunciar a grande imprensa.

O chefe geral das maracutaias é o próprio presidente do Senado, José Sarney, assim como grande parte dos representantes da Mesa Diretora, com a contratação de parentes, a prática de nepotismo deliberada e outros senadores denunciados pelo esquema das contratações ocultas e secretas.

Como um bom jogador dos meandros da política brasileira, a Raposa Sarneyana parte para a tática do ataque como elemento de defesa, desfoca e despersonaliza suas maracutaias e joga para o conjunto do Senado matar no peito e botar a bola no campo novamente; como se tudo que vem ocorrendo fosse natural.

O que está em cheque são os sucessivos escândalos que tem tomado conta da opinião pública que se enoja e enjoa com o comportamento corporativo dos senadores. Claro que toda essa excrescência (senadores eleitos e a própria instituição) existe em função dos balcões de negócio em que tem se transformado as campanhas bilionárias desses senhores e que, ao final, em nada mudam na vida da classe trabalhadora.

Outro fato a ser destacado é a existência, no Brasil e em vários outros países, da representação bicameral, com a Câmara e o Senado, que se congregam no que conhecemos como Congresso Nacional. Em nossa opinião, o Senado não tem nenhuma função que justifique a sua existência, ainda que não nos iludamos com o papel da Câmara dos Deputados, que atua quase sempre em defesa dos interesses da classe dominante e também vive mergulhada em escândalos de corrupção.

Por isso, considerando a atual conjuntura e a presente correlação de forças em nosso país, defendemos que o Senado não deveria continuar existindo, pois além de representar gastos desnecessários aos bolsos dos contribuintes brasileiros vive de desmandos e da farra com o dinheiro público, além de só atuar para emperrar a tramitação e aprovação das leis urgentes e necessárias, pelo seu papel de casa revisora, em nosso país.

Da mesma forma que houve sensibilidade e engajamento pelo fora Collor, FHC, Fora o FMI, Fora Renan, com ampla participação das forças democráticas, devemos sair às ruas pelo Fora Sarney, pelo fim do Senado e por uma câmara única, pois neste momento, até a mídia burguesa não suporta o grau de oportunismo e degeneração desses políticos, com as práticas de corrupção institucionalizadas por eles, e pela inutilidade do que representa o Senado, que hoje é, de fato, uma instituição caduca e senil politicamente. Embora sua existência seja ainda uma realidade, politicamente já não se justifica sua existência enquanto representação dos Estados.

  • Confisco, condenação e prisão dos políticos que acumulam riqueza com o dinheiro público!
  • Fora Sarney, pelo fim do Senado e por uma câmara única!