Recife: Manifestantes são brutalmente reprimidos durante ato contra aumento da tarifa de ônibus

Manifestante ferido por bala de borracha

Ação da PM do governador Eduardo Campos (PSB) repete, nesse dia 20 de janeiro, repressão do período da Ditadura MilitarEstudantes e trabalhadores de Recife protestam neste momento contra o aumento das passagens do transporte urbano. Após grande repressão do Batalhão de Choque contra uma passeata pacífica, os manifestantes se organizaram novamente em frente à Faculdade de Direito, nas proximidades do Parque 13 de Maio, no centro da cidade.

A polícia cercou o local e disparou novamente balas de borracha nos manifestantes. Essa atitude se compara ao tempo da Ditadura Militar, pois neste mesmo local houve muitos disparos em cima de estudantes que protestavam durante o período.

Segundo informações locais, a polícia está querendo prender os presentes na Faculdade, cerca de 400 estudantes e trabalhadores. Muitas pessoas se encontram feridas. A tensão e o medo é muito grande entre os manifestantes.

Como tudo começou
Nesse dia 20 de janeiro ocorreu uma reunião no Grande Recife Consórcio de Transportes, no Cais de Santa Rita, área central do Recife. A proposta dos empresários era de 17,2%, mas foi aprovado um reajuste nas tarifas de ônibus de 6,5%.

Inconformados com o aumento, internautas organizaram uma passeata para esta manhã que seguiria pacificamente até o local da reunião para manifestarem sua indignação. Entretanto, com uma atitude totalmente repressora há tempos não vista em Recife, o Batalhão de Choque começou a atirar contra os manifestantes com balas de borrachas e gás lacrimogêneo.

O Ministério Público e a OAB estão negociando com o Batalhão sua retirada, pois os manifestantes estão cercados retidos.