PSDB: o sujo falando do mal lavado

Deputados do PSDB lembram a época em que o PT pedia CPI
Antonio Cruz / Ag. Brasil

De olho na sucessão presidencial, os dirigentes do PSDB estão posando, ao defender a CPI dos Correios, como porta-estandartes da “ética na política”. FHC, Alckmin e Tasso Jereissati e a horda de parlamentares tucanos e do PFL apostam na falta de memória da população para enganá-la e voltar ao poder em 2006.

Nos oito anos de governo FHC, aconteceram os maiores escândalos de corrupção do país. Quando era oposição, o PT publicou uma cartilha chamada de “Os 45 escândalos que marcaram o governo FHC”. Entre eles, estavam denúncias de suborno de parlamentares para aprovar a emenda da reeleição, propinas nas privatizações da Vale do Rio Doce e Telebrás, desvios de dinheiro público, via BNDES, para empresas que assumiram o controle de ex-estatais privatizadas. Quem mais levou dinheiro do banco público foram as teles e as empresas de distribuição, geração e transmissão de energia. Uma vez no poder, nenhuma dessas denúncias foi investigada pelo PT.

Lula chegou a mandar um “alto funcionário” do BNDES “fechar a boca” sobre as irregularidades e congelou a CPI do setor elétrico. Na época em que governava com Jucá e Roberto Jefferson, FHC disse que uma CPI no seu governo era “golpe”, “leviandade da imprensa” e que o país não iria suportar, com faz hoje Lula. Portanto, soa de uma hipocrisia asquerosa a postura desses senhores nos recentes casos de corrupção. Como diz o ditado popular, é o sujo falando do mal lavado.
Post author
Publication Date