Professores de Santa Rita, na Paraíba, entram em greve

No dia 7 de fevereiro, os professores e professoras do município de Santa Rita (PB), município da região da Grande João Pessoa, entraram em greve por tempo indeterminado. O motivo da paralisação foi o não cumprimento de um acordo assinado entre a prefeitura e o sindicato da categoria, aprovado em assembléia pelos trabalhadores e trabalhadoras. O atual prefeito de Santa Rita é o latifundiário falido Marcus Odilon (PMDB).

O acordo dizia que a Prefeitura deveria ter pagado, em junho de 2006, um reajuste de 10% para todos os servidores lotados na Secretaria de Educação e 10%, em novembro, para todo o grupo magistério. A primeira parte do acordo foi cumprida, mas a segunda, a categoria espera até hoje. Ao mesmo tempo, entraram nos cofres da Prefeitura, só de receita proveniente do Fundef, mais de R$ 15 milhões no ano passado.

A categoria, revoltada com o tratamento dispensado pelo prefeito e o secretário de Educação, que desde novembro, prometiam pagar os 10% em folha suplementar e não cumpriram com a palavra, decidiu por unanimidade não iniciar o ano letivo enquanto a Prefeitura não depositar na conta dos trabalhadores e trabalhadoras os 10% acordados. A categoria decidiu, também, exigir o pagamento retroativo a novembro, que foi a data na qual deveria ter sido dado o reajuste. Além disso, os servidores, através do Sindicato (Sinfesa), decidiram iniciar uma campanha de denúncias contra as más condições de trabalho que os professores e professoras enfrentam no cotidiano das escolas.

Intransigência da prefeitura
A prefeitura se mantém intransigente e tenta desmobilizar a categoria com boatos e mentiras, ameaçando cortar o ponto dos grevistas e demitir trabalhadores e trabalhadoras. O prefeito Marcus Odilon está tão desesperado que produziu uma pérola digna de chacota: ele publicou um decreto declarando a greve ilegal. Mesmo do ponto de vista jurídico, nenhum patrão tem poderes para declarar uma greve ilegal.

A unidade da categoria
Apesar disso, a categoria está unida e não arreda pé das assembléias e atividades da greve. Isto tem sido fundamental para que o movimento seja vitorioso. Os trabalhadores e trabalhadoras da educação de Santa Rita estão mostrando que a unidade da classe trabalhadora pode derrotar os patrões e seus serviçais.

Para que a greve dos trabalhadores da educação de Santa Rita seja definitivamente vitoriosa, é necessária a solidariedade de outros setores da classe. Mensagens de solidariedade a esta luta devem ser enviadas para antonioradical@bol.com.br.