Professora Amanda Gurgel volta à fábrica Guararapes para agradecer operárias

Operárias cumprimentam Amanda pela vitória

Amanda havia estado ali várias vezes ao longo da campanha e mesmo antes, conversando com os trabalhadores, a maioria mulheres

Ainda não havia amanhecido totalmente quando Amanda chegou ao portão da fábrica de tecidos Guararapes, na cidade vizinha de Extremoz. "Eu não falei pra você que ela iria voltar?", disparou um dos vendedores de café e bolo para seu concorrente ao lado. "Olha ela aí…", disse o rapaz, como se tivesse acabado de ganhar uma aposta.

De todos os ônibus, muitos acenos e sorrisos das janelas. A reação de muitas operárias foi a mesma do vendedor. "É ela mesma!". No carro de som, Amanda agradece. "Nós estamos acostumados com esses políticos que só aparecem de quatro em quatro anos. Nós somos diferente, o PSTU é diferente. Nossa política é outra", explicou.

Quem chega a pé ou de bicicleta para e abraça Amanda, tira fotos, deseja boa sorte no mandato. Algumas pedem dedicatórias no material de agradecimento, em forma de cartão postal. "Me dê mais um, quero guardar", diz um operário. Outros pedem para levar para seus parentes. "Lá em casa todo mundo votou em você".

O professor Dário Barbosa assume o microfone e agradece os votos, convidando todos a participarem do mandato e também a se filiarem ao PSTU. A carreata da vitória é anunciada, e muitos confirmam que estarão lá, nesta sexta.

Um trabalhador passa e diz "Bom dia, Amandinha". A intimidade provoca risos. Amanda havia estado ali várias vezes ao longo da campanha e mesmo antes, conversando com os trabalhadores, a maioria mulheres, moradoras de bairros da zona norte de Natal. Elas produzem jeans e roupas para a rede Riachuelo, mas recebem salários de até R$ 630. "Durante a campanha, fomos percebendo o apoio dessas mulheres para a candidatura. Mas hoje foi demais. Estou emocionada", disse Amanda.