O verdadeiro voto útil é para fortalecer as lutas dos trabalhadores

Às vésperas das eleições, o mais novo escândalo de corrupção revela a podridão na qual estão envolvidos o PT e o PSDB. Por um lado, mais uma vez, o PT é pego com a boca na botija utilizando dinheiro fruto da corrupção para comprar um dossiê contra o candidato ao governo de São Paulo, José Serra (PSDB). Por outro, o tal dossiê e o avanço dos escândalos mostram o envolvimento dos tucanos com a máfia dos sanguessugas desde os tempos em que Serra era ministro da Saúde do governo FHC.

Nestas páginas do Opinião Socialista, pretendemos mostrar que PT, PSDB e PFL não são apenas iguais na corrupção, mas também apresentam os mesmos projetos para roubar os direitos dos trabalhadores por meio das reformas neoliberais. Muitos temem “o retorno da direita” e acham que o voto útil é o voto em Lula. Outros, indignados com a sujeira petista, irão votar no PSDB para punir o PT.

Queremos mostrar que isso é um grande equivoco. O voto nos partidos majoritários significa o fortalecimento da corrupção e do neoliberalismo no país.

Para os trabalhadores, o verdadeiro voto útil é aquele que aponta para o repúdio a toda a corrupção e ao projeto de tucanos e petistas. É o voto que fortalece a construção de uma alternativa para os trabalhadores contra os patrões e os corruptos. O voto útil para a luta dos trabalhadores é o voto em Heloísa Helena e nos candidatos do PSTU.

Todos os homens do Presidente caíram
Na semana passada, o escândalo da compra do dossiê tirou o presidente do PT, Ricardo Berzoini, da coordenação da campanha do presidente Lula. Berzoini negava a participação de qualquer membro do alto escalão do PT na compra do dossiê, mas a sucessão de denúncias foi implacável para o partido. Dia após dia, novos fatos vinham à tona, demonstrando de maneira incontestável a participação de influentes petistas e de assessores e pessoas muito próximas ao presidente Lula.

A sucessão de escândalos levou ao afastamento da campanha de Lula de seis petistas. Além de Berzoini, caíram Oswaldo Bargas (casado com a secretária particular de Lula), Jorge Lorenzetti (churrasqueiro e chefe do setor de ‘inteligência’ da campanha), Hamilton Lacerda (coordenador da campanha de Aloizio Mercadante ao governo paulista), Expedito Veloso (da diretoria do Banco do Brasil) e Freud Godoy (assessor da Presidência da República).

O afastamento de Berzoini e dos outros homens de confiança do presidente tem por objetivo blindar Lula e impedir que a crise o atinja diretamente.

Lula Sabia!
É impossível que Lula não soubesse da compra do dossiê. A armação envolve colaboradores diretos do presidente da República (o coordenador de sua campanha, seu churrasqueiro, seu segurança e o marido de sua secretária). A copa e a cozinha da “corte petista” detonaram a ação. É impossível que a compra do dossiê por R$ 1,7 milhão pudesse ser bancada por simples iniciativa desse pessoal e que Lula não soubesse de nada.

O presidente diz que não teria interesse em fazer algo que lhe prejudicasse, pois mantém uma posição confortável nas vésperas das eleições. Mas o alvo do dossiê era outro: mirava as eleições para o governo de São Paulo para auxiliar o candidatura petista de Mercadante. Outro objetivo seria ocultar informações sobre casos de corrupção do PT que os Vedoin ameaçavam divulgar.

A operação não deveria causar transtornos a Lula. Isso ocorreu somente porque tudo deu errado.

Agora todos eles buscam bodes expiatórios que assumam a culpa e preservem o presidente. Como no caso do mensalão no ano passado, afirmamos que Lula sabia! Todos estavam sob o seu
comando.

Post author
Publication Date