Notas

PÉROLA
“Não podemos permitir que desordeiros atrapalhem o desenvolvimento.”
EDISON LOBÃO,
ministro de Minas e Energia, sobre a greve em Jirau. Frase típica de general na ditadura.
(O Globo – 17/04/12)

PROTESTO TCHECO – Mais de 100 mil pessoas fizeram um dos maiores protestos desde a queda do stalinismo, em 1989. O protesto em Praga, capital da República Tcheca, foi contra os planos de ajustes, aumentos de impostos e a corrupção.

NÃO VÁ! – A campanha de Boicote à Israel (BDS), fez uma carta pedindo à cantora Daniela Mercury que desista do show que fará em Israel em maio. Seria um gesto de solidariedade ao povo palestino, a exemplo de Roger Waters, ex-Pink Floyd.

ABRIL VERMELHO
Enquanto Dilma Rousseff recebia em Brasília a Secretária de Estado norte-americano, Hillary Clinton, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) ocupava o prédio do Ministério do Desenvolvimento Agrário para cobrar o cumprimento da política de reforma agrária. Foi o início do “Abril Vermelho”, jornada que marca também o massacre de Eldorado dos Carajás.
Com Dilma, a reforma agrária atingiu seu pior resultado em quase duas décadas, com apenas 22 mil famílias assentadas. O governo ainda cortou 70% do orçamento do Incra, destinados à reforma agrária.

GREVE GERAL NA BOLÍVIA
A Bolívia assistiu a mais uma importante greve geral nos dias 24 e 25 de abril. Convocados pela Central Obrera Boliviana (COB), milhares de operários cruzaram os braços. A COB rejeitou a proposta feita pelo governo que estipulou em 7% (o mesmo índice da inflação de 2011) o aumento dos salários.
O governo de Evo Morales também propõe um reajuste de 18% no salário mínimo. Hoje o salário mínimo é de US$ 117 dólares. A COB pede que o governo considere a cesta familiar básica, que custa US$ 1.192 mensais, dez salários mínimos. O presidente da COB não poupou críticas ao Governo. Juan Carlos Trujillo afirmou que o presidente Evo “está se direitizando”, e que “a COB não é nem oposição nem oficialismo ante Morales”.

LOBO MAU
O ministro Lobão foi longe e pegou pesado contra operários das usinas hidrelétricas em greve. Disse que os operários são “muito bem tratados” e que “no caso de Jirau, não se tratava sequer de reivindicação. Se tratava de um ato de vandalismo”. Bem tratado é ele mesmo, que recebe R$ 26.723,15 de salário, fora os jetons.
O ministro acenou ainda em voltar a usar as tropas da Força Nacional contra a greve.

ESMOLA É CRIME?
O prefeito de Campinas, Pedro Serafim (PDT) sancionou um projeto de lei, aprovado na Câmara em 11 de março, que criminaliza o pedido de esmolas, a limpeza de vidros dos carros, a venda de produtos, além de atividades artísticas, como malabarismo, nos semáforos da cidade. Serafim foi eleito em eleições diretas pela Câmara após escândalos de corrupção que derrubaram o prefeito Dr. Hélio dos Santos (PDT) e seu vice, Demétrio Vilagra (PT). A lei sancionada pelo prefeito de Campinas possui o mesmo caráter de criminalização da pobreza a exemplo das desocupações da Cracolândia, em São Paulo, e do Pinheirinho em São José dos Campos. Segundo a lei, caberá à Guarda Municipal, à Polícia Militar e à Polícia Civil coibir essas atividades nos semáforos, agora consideradas criminosas.