No Rio Grande do Sul, estudantes se mobilizam contra ataques à educação

Em Santa Cruz, 500 estudantes protestaram contra a enturmação
Sindicato dos Comerciários de Santa Cruz do Sul

Não é de agora que a educação pública vem sofrendo ataques por parte dos governos estaduais e do Governo Lula. No Rio Grande do Sul, a Governadora Yeda Crusius (PSDB) vem aplicando sua política de “choque de gestão”, cortando verbas das áreas sociais e mantendo o arrocho salarial dos servidores públicos. Ao mesmo tempo, segue dando incentivos ficais às grandes empresas e o pagando a divida com a união.

Recentemente, a governadora, através da secretária Estadual de Educação (SEC), Mariza Abreu, anunciou a política de “enturmação”, seu novo ataque à escola pública. A meta desse plano absurdo é fechar mil turmas nas escolas de todo o estado, criando novas turmas de 50 estudantes cada. O corte de 50% do repasse das verbas do Estado para as escolas e a situação precária das instituições se mantêm, pois faltam professores, funcionários e os prédios estão cada vez mais sucateados com infiltrações e falta de segurança.

A política de enturmação do governo Yeda/Mariza é a expressão máxima da falta de compromisso dos governos com a educação pública, pois, ao invés de contratar mais professores e funcionários de escolas para suprir as necessidades, o governo do Estado prefere fechar mil turmas e entulhar os estudantes nas salas de aula para redistribuir professores. Além disso, a meta da SEC é demitir os profissionais que estão em contrato de emergência para diminuir a folha de pagamento.

Trabalhadores da educação e estudantes preparam a resistência
As escolas, porém, já começam a se mobilizar contra esse projeto. Assembléias de professores e estudantes, atos na frente das escolas e paralisações fazem parte do calendário de lutas, os professores já definiram estado de greve em assembléia geral da categoria.

No interior do estado os estudantes saem às ruas. Em Santa Cruz do Sul, a União dos Estudantes de Santa Cruz do Sul (UESC), entidade que faz parte da Conlute, organizou um ato no dia 7 que contou com a presença de cerca de 500 pessoas contra a política de enturmação e contra os ataques de Lula e Yeda à educação pública.

Em Porto Alegre, no dia 9, aconteceram vários atos pela cidade, nas escolas, reunindo mais de mil estudantes. Foram bloqueada três avenidas importantes da capital gaúcha. No Colégio Julio de Castilhos, a maior escola do Rio Grande do Sul, os estudantes deliberaram, em assembléia geral, estado de greve. Além disso, definiram um calendário de mobilização para as próximas semanas.

A Juventude do PSTU e o Movimento Vamo Batê Lata – Construindo a Conlute estão na linha de frente dessas mobilizações e na concretização do calendário de lutas aprovado nas escolas. Vamos construir um grande ato unificado no dia 22 de agosto em defesa da educação pública.

CONTRA A ENTURMAÇÃO!
CONTRA OS ATAQUES DE LULA E YEDA A EDUCAÇÃO!