No Ceará, professores apanham da polícia

Professores da rede pública estadual do Ceará, em greve há mais de 60 dias, foram alvo de violenta repressão da Tropa de Choque, no dia 29 de setembro. Os professores estavam acampados na Assembleia Legislativa. Quando os deputados colocaram em votação um projeto do governo Cid Gomes (PSB), que destrói a carreira dos docentes da rede pública, tentaram entrar no plenário. A direção da Assembleia chamou a polícia, que atacou de forma brutal os professores.

Pelo menos três professores foram detidos e há vários feridos. Ao final da repressão, os deputados aprovaram a mensagem do governador, com apenas quatro votos contrários. Mas o movimento continua. A luta agora é também pelo veto de Cid à destruição da carreira. O governo, porém, permanece intransigente e afirma que só negocia após o fim da greve.

A maior greve em anos
Os professores cearenses protagonizam uma das maiores greves dos últimos anos no estado. O movimento bate de frente com a intransigência e autoritarismo do governo Cid Gomes. Nas últimas assembleias da categoria, a direção do sindicato, ligada ao PT, defendia o retorno às aulas, mas foi atropelada pela base. Ao enviar a mensagem em caráter de urgência à Assembleia nesse dia 28, o governo Cid pode ter dado um tiro no pé, pois várias escolas que já estavam retornando pararam novamente. Agora, a repressão deixou os professores ainda mais indignados.
Post author da redação
Publication Date