Municipais de Blumenau enfrentam intransigência petista

Os servidores públicos municipais de Blumenau apresentaram à prefeitura sua pauta de reivindicações: reposição salarial de 19,94 % e pagamento de auxílio-alimentação, entre outras. O prefeito Décio Nery de Lima (PT) negou-se a atender. Em assembléia com mais de dois mil servidores, a categoria decidiu entrar em greve a partir de 26 de maio. A decisão foi contra a diretoria do sindicato (SINTRASEB). A paralisação mostra força na Educação e na Saúde, com mais de 80% dos trabalhadores parados.

O prefeito propôs o pagamento de 100 reais em vale-refeição na forma de abono. A proposta indecente foi rechaçada em assembléia por mais de três mil servidores que votaram – indignados com a prefeitura – pela continuidade da greve.

Em retaliação, o prefeito dissolveu a comissão de negociação e encerrou as discussões, decretando situação de emergência e convocando todos os servidores a retornarem aos postos de trabalho a partir de 9 de junho. Caso isso não ocorresse, afirmou que tomaria as seguintes medidas: corte do ponto, desconto dos dias parados, demissão imediata com substituição de todos os grevistas por terceirizados etc.

A greve, mesmo com todas as ameaças, continua com força e resiste à pressão da prefeitura. Os servidores estão recebendo apoio do Fórum de Movimentos Sociais, de outros sindicatos da cidade, da igreja católica e da população.

Post author Dari Diehl,
de Blumenau (SC)
Publication Date