Metalúrgicos da Eaton entram em greve

Os trabalhadores da Eaton, metalúrgica do setor de autopeças em São José dos Campos (SP), deflagraram greve de 24 horas na manhã desta quarta-feira, dia 17. Eles rejeitaram, em assembléia, a proposta de 9% de reajuste salarial, incluindo inflação mais aumento real, apresentada pela empresa.

Na assembléia, os trabalhadores decidiram que não aceitarão proposta inferior ao acordo fechado semana passada com a Bundy, de 12% (7,15% de inflação e 4,5% de aumento real) mais abono de R$1 mil. O Sindicato dos Metalúrgicos já entregou uma cópia do acordo para representantes da Eaton. A empresa ainda não agendou uma nova rodada de negociação.

A proposta da Eaton está abaixo da apresentada pelo Sindipeças (sindicato patronal do setor de autopeças). Na última reunião, ocorrida sexta-feira, dia 12, o Sindipeças propôs 10,04%, equivalente a 7,15% de inflação mais 2,7% de aumento real.

“Nosso ponto de partida para uma nova negociação será o mesmo acordo fechado com a Bundy, mas nossa meta continua sendo 18,83%”, afirma o diretor José Donizete de Almeida.

Logo após a assembléia, viaturas da Polícia Militar chegaram à portaria da Eaton para intimidar os trabalhadores e impedir a greve. Mesmo assim, os metalúrgicos mantiveram-se firmes na decisão e voltaram para casa. A produção da fábrica ficou 100% paralisada.