Metalúrgicos da CSN entram em greve

Uma consulta realizada entre os metalúrgicos da Companhia Siderúrgica Nacional de Volta Redonda (RJ) aprovou greve por tempo indeterminado. Dos cerca de 8 mil trabalhadores da empresa, mais de 6.200 participaram da votação. Cerca de 57% dos votos foram favoráveis a parar.

A decisão pela votação secreta foi tomada em assembléia da categoria, a fim de evitar retaliação por parte das chefias que assistiam às reuniões. A apuração terminou no final da tarde desta sexta-feira.

Já havia um indicativo de greve para a meia-noite da última quarta-feira, 30 de maio. Os terceirizados, desde então, estavam parados. Os funcionários da empresa, entretanto, só aderiram à greve neste momento.

A companhia oferece, hoje, a reposição da inflação mais 2% de reajuste aos trabalhadores. A categoria não aceita esse índice e exige reajuste pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor, hoje em 3,44%, mais 6% de aumento real e 33% de reposição de perdas salariais, acumuladas desde 1995.

No último dia 27, houve um atraso coletivo de meia hora em todas as entradas da empresa, com total adesão dos trabalhadores. Neste momento, está inciando a primeira reunião do comando de greve.

O PSTU é solidário e dá todo o apoio aos trabalhadores da CSN. Essa é uma luta de toda a classe trabalhadora, de conjunto atacada pelos governos e patrões. O partido reafirma que estará junto com a categoria com esforço de seus militantes enquanto durar a paralisação e na continuação dessa luta.