Metalúrgica pressiona trabalhadores a aceitar redução de salários

Empresa de Jacareí (SP) foi tema de reportagem do Jornal da Globo, nesta quarta, 21A Schrader Bridgeport Brasil, empresa de autopeças, em Jacareí (SP), está coagindo seus trabalhadores a aceitarem a proposta de redução de jornada com redução de salário. Diante disso, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e região, filiado à Conlutas, entra neste dia 21, com uma representação no Ministério Público do Trabalho, denunciando a Schrader por assédio moral institucional.

A empresa propôs a redução de 20% do salário e um dia a menos de trabalho por semana, sem a aprovação do Sindicato. Os trabalhadores vêm sendo pressionados, há cerca de uma semana, a assinar acordo individual e a aderir a abaixo-assinado preparado pela empresa – o que é proibido por lei, já que redução de salários refere-se à matéria coletiva e só pode ocorrer mediante acordo com o Sindicato.

Segundo o advogado do Sindicato, Aristeu César Pinto Neto, o assédio moral compromete a livre vontade do trabalhador. Juridicamente, é chamado de “vício de vontade”.

“O que a Schrader está fazendo é vergonhoso. Não vamos aceitar este assédio moral sobre os trabalhadores”, afirma o diretor do Sindicato, José Mendonça.

O Sindicato dos Metalúrgicos é contra a redução de direitos e de salários, por considerar que esta estratégia não garante empregos e beneficia apenas os empresários. Desde o ano passado, a entidade promove uma campanha para exigir estabilidade no emprego e redução da jornada de trabalho sem redução de salários e sem banco de horas.

“Vamos dizer não a todas as propostas de redução de direitos e de salários. Está claro que este tipo de proposta beneficia unicamente os patrões e não representa estabilidade no emprego para os trabalhadores”, afirma Mendonça.