Fechamento de estradas, ocupações e protestos marcam luta contra despejos

O MTST bloqueou as principais Rodovias e Avenidas das regiões Sul e Sudeste na manhã desta quarta-feira (22)O MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) realizou na manhã desta quarta-feira, dia 22, o travamento de algumas das principais rodovias da região Sul e Sudeste. A ação, também construída pela CSP-CONLUTAS, faz parte da campanha Nacional Contra Despejos promovida pela Resistência Urbana – Frente de Movimentos Populares, integrada pelo MTST.

Esta é uma jornada que expressa a ação concreta da CSP-CONLUTAS em apoiar setores além do movimento sindical e consolida o caráter Sindical e Popular da Central.

Ações nos estados:

São Paulo – Em São Paulo, houve o travamento de cinco das principais Rodovias. Em Campinas, as ações começaram por volta 8h com o travamento da Rodovia Santos Dumont. Cerca de 400 pessoas bloquearam a pista por aproximadamente uma hora.
A Rodovia Anhanguera foi bloqueada por 1h40 por cerca de 400 pessoas.
O travamento no Rodoanel Oeste contou com cerca de 350 pessoas, organizadas pelo MTST, que bloquearam a pista nos dois sentidos. A Força Tática, da Polícia Militar, chegou ao local, mas não houve conflitos.

Na Rodovia Régis Bittencourt, a pista foi travada por mais de 300 pessoas; a ação durou cerca de 1h15.

Na Raposo Tavares a ação começou às 10h com a participação de cerca de 300 pessoas.

Minas Gerais – A principal via de acesso de Belo Horizonte, o Anel Viário, foi bloqueado por cerca de 3 horas. Houve grande repercussão na grande imprensa. A ação contou com a participação de 400 pessoas. Houve adesão das comunidades próximas reivindicando passarelas.

Paraná – O MTST fez o travamento da Avenida Rui Barbosa, no trecho de São José dos Pinhais. A ação iniciada às 8h30 teve a participação de cerca de 200 pessoas.

Jornada foi iniciada nas regiões Norte e Nordeste – As ações ocorreram nas regiões Norte e Nordeste nos dias 20 e 21 de setembro.

No Amazonas, duas grandes avenidas foram bloqueadas nesta segunda-feira. A Avenida Brasil com cerca de 250 pessoas organizadas pelo MTST e a Avenida Distrito Industrial com cerca de 300 pessoas organizadas também pelo MTST e pelo Movimento das Áreas de Risco. No Pará foi travado o principal Porto da cidade. Houve truculência da polícia e uma companheira do MLP (Movimento de Luta Popular) chegou a ser presa. Nesta terça feira (21) as ações se localizaram na região Nordeste. Nos estados da Bahia, de Pernambuco entre outros.

Luta contra despejo
As mobilizações que se estendem pelo país estão dando resposta à ofensiva do capital imobiliário no Brasil e à brutalidade das ações de despejo que ocorrem e se intensificarão devido à Copa de 2014 e Olimpíadas de 2016.

A Jornada Nacional Contra os Despejos defende a garantia de moradia digna para todos, sem despejos e remoções; o combate à repressão e à criminalização da pobreza; uma política de desapropriações de imóveis vazios e medidas de combate à especulação imobiliária; além de exigir a construção de moradias populares e uma reforma urbana voltada à classe trabalhadora.

LEIA MAIS

  • Guilherme Boulos (MTST): Milhares de famílias serão despejadas no próximo período