Estudantes de Minas Gerais voltam às ruas em defesa da universidade pública e pelo passe-livre

As últimas semanas foram marcadas por inúmeras mobilizações estudantis no estado de Minas Gerais. Nas universidades, sente-se uma nova disposição dos estudantes para lutar contra os reflexos da aplicação da reforma universitária e os sucessivos cortes de verbas.

Os estudantes de Artes Cênicas da UFOP protagonizaram uma importante greve estudantil contra as precárias condições de ensino existentes nessa universidade. Apesar do boicote do DCE, a greve durou uma semana e conseguiu levar ao conhecimento de toda a comunidade de Ouro Preto a situação de descaso e sucateamento que o curso está vivendo. Salas de aulas caindo aos pedaços e a falta de professores são os problemas mais graves sentidos por esses estudantes que se recusam a aceitar a privatização da UFOP realizada por fundações e empresas privadas.

Já na UFLA e na UFMG, as mobilizações têm como pano de fundo a falta de assistência estudantil. Apesar da UNE estar alardeando que o governo investirá mais na manutenção dos estudantes no ensino superior, o que existe nessas duas universidades são bandejões caríssimos e muita repressão aos estudantes que residem nas moradias estudantis.

Os estudantes secundaristas não ficam atrás e só nas duas últimas semanas realizaram três mobilizações pelo passe-livre. Belo Horizonte é uma das poucas capitais do país onde a prefeitura não concede nenhum tipo de benefício em relação ao transporte coletivo.

É hora de unificar todas essas lutas e ampliá-las!
A Conlute-MG está participando e apoiando essas mobilizações e chama os estudantes mineiros às ruas para barrar a reforma universitária e conquistar o passe-livre para estudantes e desempregados.