É preciso unificar as Campanhas Salariais do segundo semestre para arrancar a vitória

Ato unificado de Correios, bancários e servidores em 2011

Metalúrgicos, bancários, petroleiros, trabalhadores do Correios, químicos, gráficos, trabalhadores da construção civil do Pará, entre outras categorias, já deram o ponta pé inicial em suas campanhas salariais. Os trabalhadores dessas categorias já começam a se mobilizar, alguns com indicativo de greve para os próximos dias, outros já estão paralisados, e todos com objetivos comuns de brigar por aumento real de salários e melhores condições de trabalho.

As greves não serão fáceis. “Serão longas e radicalizadas” , afirma o especialista do Ilaese (Instituto Latino Americano de Estudos Sócios Econômicos), Nazareno Godeiro. Na última reunião da Secretaria Executiva Nacional ampliada, realizada no último dia 5, Godeiro abordou a situação mundial e do Brasil e apontou a perspectiva da desaceleração da economia para o próximo período no Brasil. “Por isso, o maior argumento dos empresários e do governo para não dar os aumentos será a perspectiva da crise”, reforçou.

Entretanto, o especialista chamou a atenção para a alta lucratividade das grandes empresas nos últimos anos. “Com essa alta lucratividade, eles tem condições de atender as revindicações”, frisou Godeiro, defendendo que é possível que haja vitórias nas campanhas.

Além disso, o balanço das campanhas salariais do primeiro semestre feito pelo Dieese, que apontou para os maiores reajustes desde 2006, deve servir como exemplo para as categorias que estão em luta agora. Das 370 categorias analisadas pelo Dieese, 97% conquistaram, além do reajuste, aumento real de salários. Em média, segundo o estudo do Dieese as categorias analisadas conquistaram aumento de 2,5%. O destaque ficou para o setor da construção e mobiliário que enfrentou diversas lutas duras e radicalizadas e conquistou aumento real de 3,27%.

O membro da Secretaria Executiva Nacional, Paulo Barela, também da Oposição Nacional da ASSIBGE, lembrou que o funcionalismo conseguiu quebrar 10 anos de congelamento salarial, apesar de não ter obtido o resultado que estava buscando. “Foi uma vitória política importante, a força da greve obrigou o governo a abrir negociação”, disse reforçando a necessidade de unificação das campanhas salariais do segundo semestre, assim como fizeram os servidores públicos federais. Segundo ele, o resultado dessa greve, além da forte disposição de luta dos servidores, foi a unidade construída entre as várias organizações que possibilitou a unificação da greve, em que pesasse as diferentes pautas de cada setor.

Por isso, a CSP-Conlutas reforça que todas as categorias em campanha salarial neste semestre unifiquem suas lutas, com datas únicas e bandeiras políticas comuns. Entre elas, como a denúncia do governo Dilma e dos governos estaduais, que dão dinheiro para as empresas por meio de isenções de impostos (IPI), desoneração da folha de pagamento, etc. Denunciar a nova reforma da previdência que quer acabar com a aposentadoria por contribuição e instituir a idade mínima de 65 anos para os homens e 60 para as mulheres, para a aposentadoria, assim como o fator 85/95 e defender o fim do fator previdenciário. Denunciar a tentativa de flexibilização das leis trabalhistas através do projeto de lei do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (CUT) que estabelece o ACE (Acordo Coletivo Especial) e exigir regulamentação do direito de greve e contra a criminalização dos movimentos.

Além disso, é necessário fortalecer as campanhas salariais com reivindicações referentes às demandas específicas dos setores mais oprimidos de nossa classe, como as mulheres, negro e negras e LGBT. Materializar a campanha “Salário Igual, para Trabalho Igual” com reivindicações relacionadas a esses segmentos.

Veja o quadro, até o momento, das campanhas salariais:
Bancários de todo país já apresentam indicativo de greve para o dia 18 de setembro, com assembleias marcadas para os dias 12 e 17 do mesmo mês. Esses trabalhadores realizaram um dia de luta em 3 de setembro que marcou o início da campanha. No Pará, os bancários do Banpará já decretaram greve e desde o dia 4 de setembro seguem mobilizados.

Os bancários organizados pelo MNOB (Movimento Nacional de Oposição Bancária), que integra a CSP-Conlutas, reivindicam jornada de seis horas sem redução salarial e isonomia para todos; mesmo direitos para antigos, novos e bancários de bancos incorporados; reposição das perdas salariais e ratificação da convenção 158 da OIT (que proíbe a demissão imotivada). A pauta nacional da categoria reivindica 10,25% de reajuste, PLR e piso de R$ 2,4 mil. Já houve quatro rodadas de negociação, mas a proposta de 6%, apresentada pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), foi recusada.

Os metalúrgicos de São José dos Campos e região estão na Campanha Salarial Unificada com Campinas, Limeira e Santos. Os metalúrgicos da General Motors, em São José dos Campos, conquistaram 8,24% de reajuste salarial, a partir de 1º de outubro, mais R$ 3.250 de abono. O acordo foi aprovado em assembleia, nesta terça-feira ( 11) entre os trabalhadores de todos os turnos. O índice representa 5,39% de inflação mais 2,7% de aumento real. Os Trabalhadores da TI Automotive, também em São José dos Campos, e da Schrader, em Jacareí, rejeitaram, nesta terça-feira, a proposta de reajuste salarial apresentada pelo grupo de setor de autopeças. O Sindipeças (sindicato patronal do setor) quer aplicar apenas a inflação do período (setembro de 2011 a agosto de 2012). Em quase todos os setores, as empresas se recusam a conceder aumento real aos trabalhadores. A exceção é o setor de Fundição, que propôs 1,5% além da inflação. A proposta também foi rejeitada na mesa de negociação.

Os trabalhadores dos Correios, em assembleias realizadas nesta segunda-feira (10), rejeitaram a proposta apresentada pela empresa de reajuste de 5,2%. A categoria encaminhou uma nova assembleia para o dia 18 de setembro com indicativo de greve para a zero hora do dia 19. Dos 35 sindicatos que representam os trabalhadores ao menos 15 realizaram assembleias e rejeitaram a proposta, os demais ainda irão realizar assembleias nesta terça-feira (11) e um setor minoritário fará assembleia somente no dia 25 de setembro. A categoria reivindica 33% de reajuste, referentes às perdas salariais dos últimos 12 anos, 10% de aumento real, R$ 200 de aumento linear para todos, entre outras demandas.

Os petroleiros organizados pela FNP (Federação Nacional dos Petroleiros) também estão em luta para que sejam contempladas as clausulas sociais e econômicas em sua pauta de reivindicações. Segundo informações da FNP, foi reafirmado na primeira reunião com a Petrobrás, realizada no dia 5 de setembro, que os responsáveis por determinar os limites da negociação são os trabalhadores que querem que sejam contempladas as pautas sociais e econômicas. Além disso, a FNP reivindica o ICV-DIEESE e 10% de produtividade, o que totaliza 16% de antecipação, incorporada ao salário básico da categoria.

Os operários da construção civil do Pará estão em greve e em pé de guerra com os patrões por aumento real. Com a unificação das campanhas dos trabalhadores cidades de Belém, Ananindeua e Marituba, a mobilização ganha peso com manifestações que reúnem mais de 5 mil operários. Os trabalhadores pedem um reajuste geral de 16% e aumentos específicos nos pisos salariais da categoria. O direito à cesta básica é outro ponto decisivo nesse impasse, assim como o direito a eleição de delegados sindicais de base, entre outras reivindicações. Outro diferencial dessa campanha é pauta especifica das mulheres que estão na luta por creche e licença maternidade de seis meses, entre outras reivindicações.

  • Leia o boletim da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas