Dois trabalhadores morrem após repressão à greve na Venezuela

Trabalhador foi morto com tiros no peito

Policiais invadem e matam metalúrgicos no estado de Anzoátegui, governado pelo chavismoAo menos dois trabalhadores mortos e um ficou gravemente ferido na brutal repressão da polícia de Anzoátegui ao conflito trabalhista na Mitsubishi

Na tarde desta quinta-feira, 29 de janeiro, na zona industrial da cidade de Barcelona, a polícia do estado de Anzoátegui usou a mais pura e brutal violência para desalojar os trabalhadores de Mitsubishi e autopeças, que se mantêm defendendo seus direitos ao pagamento de utilidades, salários atrasados e estabilidade no emprego. Por ordem de uma juíza, a polícia ultrapassou as suas funções, e, avançaram com fuzis, lançando bombas de gás lacrimogêneo, balas de borracha e tiros de pistolas.

Como resultado da violência policial, dois trabalhadores (um da Mitsubishi e outro da Macusa) foram mortos com armas de fogo e um está gravemente ferido no Hospital Luis Razetti, nesta cidade. Além destes, um trabalhador foi selvagemente golpeado por funcionários da polícia, que teriam confundido-o com o secretário geral do sindicato da Mitsubishi, Félix Martínez, já que ambos usavam roupas parecidas.

Não aceitamos a tese de enfrentamento
Já estão circulando rumores de que os trabalhadores estavam armados e os policiais apenas responderam uma agressão. Nada mais falso! Esta resposta típica tenta justificar os excessos policiais e criminalizar o protesto social e trabalhista. Em vez de buscar culpados entre os agressores policiais, buscam deter a mobilização, acusando seus dirigentes de delinquentes.

Tarek e o patrão são os responsáveis políticos desta repressão
Ainda que tenha sido uma juíza que ordenou a retirada dos trabalhadores, a fúria com que os policiais se lançaram contra os trabalhadores e o linchamento contra um deles, faz pensar em um acordo entre o patrão e o governo de Anzoátegui, de acordo com a atitude repressora que o governador vem tendo diante dos conflitos trabalhistas. Recordemos a repressão aos trabalhadores do Frigorífico de Jóse, ou os petroleiros em luta pelo seu contrato, etc.

Exigimos a punição aos responsáveis pela repressão
A juíza que ordenou a retirada, o chefe policial que cumpriu a ordem e os policiais que participaram deste ato selvagem devem ser presos. Mas, além disso, o comandante da polícia e o governador devem se apresentar e responsabilizar-se pelos mortos e feridos. Que renunciem, se é que têm vergonha na cara!

Indenização aos familiares, responsabilidade pelos feridos e solucionar o conflito
Os mortos não podem ressuscitar e nada poderão substituí-los como pais, irmão, maridos ou filhos, mas ao menos o que se pode fazer é indenizar a família mutilada por este ato criminoso. O Estado e o patrão devem assumir as indenizações. Além disso, devem responder pelos cuidados médicos e gastos com os feridos até o seu total restabelecimento, assim como os gastos das famílias que dependem deles.

Mas o risco de novas repressões continuará existindo, enquanto o conflito não seja solucionado. O patrão já demonstrou que quer apenas retirar seu lucro, explorando os trabalhadores, e voltará a cometer abusos contra os mesmos se ninguém o impedir. Se este governo é socialista de verdade, deve obrigar o patrão a pagar suas dívidas e ir embora do país, garantindo o governo a nacionalização da empresa, sob o controle dos trabalhadores.

Solidariedade com os trabalhadores de Mitsubishi, Macusa, Vivex e demais autopeças em luta
Na Sidor (Siderúrgica de Orinoco), os trabalhadores demonstraram que apenas a mobilização permanente, estendendo a luta para as ruas e com a solidariedade dos demais trabalhadores, sindicatos, grêmios e estudantes, converte-se em uma força capaz de enfrentar com êxito a repressão e as tentativas de derrotar a luta dos trabalhadores por seus direitos. Por isso, fazemos um chamado urgente a Unetesca, sindicatos de autopeças e montadoras, aos demais sindicatos e grêmios trabalhistas e estudantis a solidarizar-se com os trabalhadores em conflito, com declarações públicas, e também materialmente, colaborando financeiramente para que a luta não se veja derrotada pela fome, e organizando mobilizações em apoio aos companheiros.

  • PUNIÇÃO AOS ASSASSINOS DOS TRABALHADORES!
  • NÃO À CRIMINALIZAÇÃO DOS CONFLITOS TRABALHISTAS!

    Caracas, 29 de janeiro de 2009

    Unidad Socialista de los Trabalhadores, seção da Liga Internacional dos Trabalhadores – Quarta Internacional
    http://ust.org.ve

    ENVIE MENSAGENS E MOÇÕES DE PROTESTO

    Sindicato Nueva Generación MMC:
    sindicatonuevageneracion@gmail.com

    SINDICALISTAS e ORGANIZAÇÕES POLÍTICAS
    Felix Martinez, da Mitsubishi (MMC)
    singtra@telcel.net.ve

    Daniel Gutierrez, da Mitsubishi (MMC)
    gutierrezhdaniel@hotmail.com

    Eduardo Solorzano, da empresa Macusa
    cervantess2000@yahoo.es

    David Contreras, da empresa Vivex
    davidcontreras_30@yahoo.es

    Gregorio, da empresa Coresta
    granadillogregorio@yahoo.com

    Seção da LIT-QI na Venezuela
    ustluchasocialista@gmail.com

    Conlutas
    conlutas@conlutas.org.br

    Com cópia para:
    SR. TAREK WILLIANS sAAB, GOVERNADOR DE ANZOATEGUI, DO PSUV
    tarek@psuv.org.ve
    despacho@tarekrindecuentas.com
    rima.saab@tarekrindecuentas.com
    dalia.vega@tarekrindecuentas.com
    despacho@gobernaciondeanzoategui.com
    info@gobernaciondeanzoategui.com

    Por telefone, através de Dalia Vega, assessora do governador
    (+ 58 281 2701405-2701406)

    Presidente HUGO CHÁVEZ
    dggcomunicacional@presidencia.gob.ve
    drsociales@presidencia.gob.ve

    LEIA MAIS

  • Greve na Mitsubishi da Venezuela começou após 135 demissões
  • Conlutas e Elac enviam mensagem de protesto contra assassinatos na Venezuela