Dia Nacional de Luta agita Minas Gerais

Manifestação exigiu do Governo Dilma a abertura das negociações

Manifestação no centro de BH reuniu delegações de diversas regiões do estadoNesta Terça-Feira, Dia Nacional de Luta dos Servidores Públicos Federais em GREVE, foi realizado um grande Ato Público no centro de Belo Horizonte.

A Manifestação foi organizada pela CSP-CONLUTAS conjuntamente com CTB, ANDES-SN, Sindcefet e Sinasafe e contou com a presença de delegações de diversas regiões do estado.

Sob o lema “Chega de enrolação, negocia Dilma!” , os manifestantes denunciaram a política do Governo Federal em relação aos servidores públicos, e exigiram que o governo atenda as reivindicações dos trabalhadores e estudantes em greve.

O SintsprevMG teve participação destacada no ato, com representantes das 5 regiões do estado: “A política do governo Dilma para a Previdência, é totalmente desrespeitosa. Além de se negar a conceder nosso reajuste e melhores condições de trabalho, o governo insiste em responsabilizar a Previdência pelo déficit no orçamento. Isso é mais uma tentativa de nos impor uma nova reforma da Previdência, instituindo agora o famigerado fator 85/95.Exigimos que o governo negocie de fato e atenda as nossas reivindicações”, disseram os representantes do sindicato.

Os Comandos de Greve dos Professores da UFMG e dos IFETs também marcaram presença: “Nossa greve aqui em Minas continua forte. Vamos acompanhar a greve nacional até que o governo abra negociações e atenda de fato as nossas reivindicações”.

Já os estudantes da ANEL, destacaram a greve estudantil que acontece em dezenas de universidades em todo o país: “a nossa greve começou porque o REUNI não garante expansão com qualidade das universidades. É por isso que os cursos não têm estrutura, laboratórios, prédios decentes, as salas estão superlotadas e faltam professores. Queremos 10% do PIB em investimento na educação já, e não só daqui há 10 anos, como propõe o governo Dilma”. Diversas universidades estiveram presentes na manifestação, como a UFOP, UFMG, UniFAL entre outras.

Além dos servidores e estudantes em greve, a manifestação contou com o apoio de diversos movimentos e entidades, como a Federação Democrática dos Metalúrgicos de Minas Gerais; a AMES-BH; partidos políticos, como o PSTU e o PCR.

Os metalúrgicos da CSP-Conlutas, além de apoiarem a greve dos servidores e estudantes, ressaltaram a luta contra as demissões dos operários da GM de São José dos Campos. “Chamamos todos os trabalhadores e estudantes e rodear de solidariedade essa luta contra as 2 mil demissões. É preciso exigir que o governo Dilma intervenha e garanta a estabilidade no emprego dos trabalhadores”, afirmou Geraldo Batata, da Federação Democrática dos Metalúrgicos.

A única candidata a Prefeita presente na manifestação foi Vanessa Portugal, do PSTU. Em sua fala, Vanessa reafirmou seu apoio à luta dos servidores e estudantes, bem como sua posição de que os serviços públicos devem ser prioridade no Brasil, com mais investimentos e valorização trabalhadores.

Para Gilberto Antônio Gomes, o GIBA, da Cordenação Estadual da CSP-Conlutas, a manifestação foi um verdadeiro sucesso: “Acreditamos que este ato foi muito importante, pois unifica as lutas dos servidores e estudantes nacionalmente, além de demonstrar o apoio de outros setores ao movimento. Foi um passo importante para pressionar ainda mais o governo Dilma pela abertura de negociações”.

Agora, as entidades organizadoras do ato devem se reunir para fazer um balanço do ato e organizar as próximas atividades unificadas.

Acesse o Blog da CSP – Conlutas Minas Gerais