Cegueira imposta

Cabra-cega, o novo filme de Toni Venturi – diretor do premiado documentário O velho, sobre a vida de Luiz Carlos Prestes – teve estréia nacional em 15 de abril e conta a história do guerrilheiro Thiago, que é obrigado a se esconder, durante dias, em um apartamento, depois de ser baleado e ver sua companheira sendo presa.
No “aparelho”, Thiago só tem contato com algumas poucas pessoas, dentre elas Rosa, uma jovem e inexperiente militante, Mateus, o dirigente da organização, e Pedro, um arquiteto pequeno-burguês simpatizante da causa. A sufocante reclusão leva o militante a um dilacerante processo de reflexão sobre sua vida e luta.

O centro do filme está sintetizado nas imagens iniciais, que intercalam cenas dos festivais de música da época, de passeatas contra a ditadura e do corpo de Che Guevara, morto na Bolívia. Ou seja, imagens que nos remetem, tanto ao vigor e aos sonhos da juventude quanto à perspectiva de derrota diante da violenta repressão.
Um processo que o diretor trata em tom muito mais respeitoso do que outros filmes sobre o tema, principalmente se comparado ao caricatural O que é isto companheiro?, que Bruno Barreto dirigiu em 1997, apresentando os guerrilheiros como um bando de gente um tanto idiotizada.

Diferentemente de uma possível falta de rumo ou cegueira diante da realidade, que o título pode sugerir, o que está em discussão é a caustrofóbica situação criada pela ditadura, que levou muitos a buscar saídas onde elas não existiam de fato.

A abordagem mais séria, realista e profunda deve-se, em grande medida, ao incomum processo que o diretor realizou para concebê-lo. O cineasta colheu 11 longos depoimentos de ex-militantes que conviveram com a luta armada (quatro desses depoimentos deram origem a um documentário intitulado No olho do furação), dentre eles o de José Dirceu (sem comentários…), Carlos Eugênio Paz e Pedro Lobo.

O resultado é um filme pra lá de interessante, em que a situação de Thiago é marcada por uma impressionante versão de Roda Viva, de Chico Buarque, cantada por Fernanda Porto.

Direção: Toni Venturi
Elenco: Thiago (Leonardo Medeiros), Rosa (Débora Duboc), Mateus (Jonas Bloch)
e Pedro (Michel Bercovitch).

Post author
Publication Date