As centrais sindicais, entidades e movimentos que compõem a Campanha Fora Bolsonaro reuniram-se nesta segunda-feira (21) para avaliar as atividades nacionais realizadas nos dias 10 e 11 de julho e organizar os próximos passos da mobilização.

Um novo calendário de lutas foi definido. Há indicação de apoio às greves e categorias em luta, mas também foi apontado um novo dia nacional de protestos no dia 7 de agosto.

Confira:

25/7 – #BrequedosAPPS: todo apoio à mobilização dos entregadores

25/7 – Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

25/7 – Dia do Trabalhador e da Trabalhadora Rural

7/8 – 2º Dia Nacional de Mobilização por Fora Bolsonaro

23/8 – Stop Bolsonaro

7/9 – Grito dos Excluídos

Para o dirigente da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas Atnágoras Lopes, é preciso que todas as mobilizações em curso, como o breque dos apps e dias de luta específicos como o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, entre outros, até o dia 7 de agosto, sejam impulsionados e fortalecidos, vinculando à bandeira pelo Fora Bolsonaro e Mourão.

Precisamos unificar as lutas e impulsionar as mobilizações para fortalecer a luta para por para fora este governo genocida, de ultradireita e ultraliberal”, afirmou.

Balanço do dia 10 de julho

Na reunião desta segunda-feira, as organizações avaliaram como positivas os atos simbólicos realizados em dezenas de cidades no dia 10 de julho, as atividades de agitação e assembleias em locais de trabalho. Nas redes sociais foi realizado um tuittaço, que atingiu o 3º lugar nos Trending Topics, e também um ato inter-religioso.

Entretanto, houve entendimento de que ficaram aquém do potencial.

Tendo sido muito importante a mobilização nacional do último dia 10, de fato, vimos que parte da cúpula das centrais sindicais deixou muito a desejar, algumas nada fizeram. Precisamos avançar na mobilização. Organizar a luta para por para fora este governo deve ser a tarefa das direções da classe trabalhadora. Só assim poderemos barrar os ataques de Bolsonaro”, avalia Atnágoras.

A plenária nacional sindical e popular realizada no sábado, dia 11, reuniu aproximadamente 700 participantes de todo país. Houve exposição dos diversos segmentos que compõem a campanha e em seguida os participantes foram divididos em 7 salas virtuais para aprofundar os debates. A partir das relatorias dos grupos produziu-se uma síntese que será transformada em um documento da Campanha, a ser apresentado nos próximos dias.

Na reunião desta segunda-feira foram reafirmados também os eixos unitários da luta da campanha Fora Bolsonaro e ressaltou-se a necessidade de seguir denunciando a crise humanitária e ambiental e os crimes do governo Bolsonaro, bem como associar a campanha à luta em defesa dos direitos.

Buscar ampliar a campanha para outros setores da sociedade, aumentar a pressão sobre o Congresso Nacional e internacionalizar a campanha também foram pontos definidos.

Neste sentido, além do calendário de luta, a orientação é para que sejam realizadas plenárias estaduais da Campanha Fora Bolsonaro e sejam criados comitês da campanha nos municípios onde não houver espaços de articulação para construir estas iniciativas.

Precisamos concentrar esforços para impulsionar e unificar todas as lutas. Em defesa da vida, dos empregos, de uma quarentena geral com garantia de renda digna para todos e das reivindicações de nossa classe, é preciso intensificar a mobilização para colocar essa corja para fora do governo”, concluiu Atnágoras.

Vamos à luta! Em defesa da vida:

Quarentena Geral de 30 dias!

Emprego e Renda digna para todos!

Suspensão do pagamento da Dívida Pública!

Fora Bolsonaro e Mourão, já!