Banqueiros financiaram campanha de Lula e Alckmin

Valores foram maiores do que os doados em 2002A prestação de contas dos candidatos à Presidência da República Geraldo Alckmin e Lula comprovam o que todo mundo já suspeitava. Segundo a Justiça Eleitoral, os bancos foram os maiores financiadores, repassando a soma de R$ 10,5 milhões para cada um dos candidatos.

O valor idêntico da “doação” para ambas as campanhas faz lembrar a notória frase do banqueiro Olavo Setúbal que, pouco antes das eleições, disse que “tanto faz” quem ganhasse. O Itaú, banco de Setúbal, foi o maior doador do ramo, com R$ 3,5 milhões.

As generosas contribuições dos banqueiros para a campanha de Lula é um sinal de agradecimento ao governo que, a partir da manutenção do plano econômico neoliberal e das estratosféricas taxas de juros, proporcionou aos bancos os maiores lucros de toda a história do país. Em 2005, os banqueiros lucraram R$ 28 bilhões. Apenas no primeiro semestre desse ano, os lucros chegaram a R$ 22 bilhões, 43% a mais do que no ano passado. O PSDB também não foi esquecido. Durante os oito anos em que estiveram à frente do governo, o partido criou uma série de políticas, como o famigerado Proer, para salvar banqueiros da falência. Na época, o PSDB ficou conhecido como Partido da Salvação Dos Banqueiros.

O segundo maior ramo de atividade que financiaram as campanhas do PT e PSDB – que tem uma lista enorme de interesses relacionados ao Estado – foram as empreiteiras, com um montante de R$ 10 milhões repassados ao comitê petista, e R$ 4,8 milhões ao tucano.

A bancada da Vale
A empresa que mais forneceu dinheiro a campanha de Lula foi a Vale do Rio Doce, com R$ 4 milhões. Dados divulgados pela Justiça Eleitoral sobre financiamento das campanhas mostram que a Vale financiou 46 deputados. Sozinha, a empresa gastou R$ 5,3 milhões financiando campanhas. O parlamentar mais beneficiado pela companhia foi o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB – SP), que recebeu RS 300 mil. O deputado “comunista” também foi quem recebeu a maior doação da construtora Camargo Correa, com R$ 250 mil. O fato levou o chargista Gilberto Maringoni a sugerir, com muito bom humor, que Rebelo colocasse em seu gabinete a logomarca das empresas ao lado das fotos de João Amazonas e Che Guevara. “Hay que endurecer, pero sin perder el financiamiento“, ironizou.

Mas a bancada da Vale ainda abarca outros partidos, como o PT (partido que recebeu a maior fatia do financiamento, com 16 deputados beneficiados), PSDB (7), PMDB (5), PFL (4), e outros do PTB, PSB, PPS, PL, PDT e PL.

Por trás do financiamento da Vale há a preocupação de fazer que os deputados votem em projetos favoráveis aos seus interesses. Tramita atualmente na Justiça uma ação para anular o leilão fraudulento que privatizou a companhia. Se o tema chegar ao Congresso certamente os parlamentares financiados pela Vale votarão a favor dos interesses da empresa. Vale perguntar ainda como ficará Lula diante dessa questão.

SAIBA MAIS

  • Veja os deputados da bancada da Vale do Rio Doce