A Cama de Gato da classe média

Cama de Gato, de Alexandre Stockler (rodado em 2000, mas só agora em cartaz no país), é o primeiro filme de uma espécie de movimento cinematográfico denominado T.R.A.U.M.A (Tentativa de Realizar Algo Urgente e Minimamente Audacioso), criado por jovens cineastas paulistas.

Em manifesto de 1999, os diretores defendiam que “o comércio não é o que justifica a realização de um fim, mas sim seu conteúdo” e propunham-se a “realizar filmes (…) ficcionais de forma mais barata possível, assumindo os problemas de produção e de limitação de orçamento como parte integrante do filme”.

Objetivos que, a princípio, foram atingidos no filme, que custou inacreditáveis R$ 13 mil (outros R$ 80 mil tiveram que ser gastos para convertê-lo para película de cinema) e é pontuado por soluções criativas para limitações técnicas.

Também no que se refere à disputa entre o apelo comercial (que tem transformado boa parte do cinema nacional em “novelões”, em forma e conteúdo) e a intenção de se levantar alguma discussão que valha a pena, Cama de Gato tenta trilhar a segunda opção. Para muita gente, a crueza técnica, a crueldade temática e a violência explícita do filme são, literalmente, intragáveis, como também para muitos patrocinadores.

Ficção e realidade

O filme narra a história de três adolescentes de classe média alta (Caio Blat, Rodrigo Bolzan e Cainan Baladez), cuja rotina é a busca das melhores baladas e drogas. Entre uma festa e outras, “divertem-se” hostilizando travestis e procurando sexo fácil.

Uma das aventuras acaba em tragédia (a morte de uma garota após uma cena violen-tíssima de sexo) e desencadeia uma sucessão de fatos que aprisionam os jovens na tal “cama de gato”, armada pela mediocridade que escolheram.

Se não bastassem as cenas e os absurdos diálogos que demonstram o vazio destes representantes da fina flor da classe média, o que mais tem “chocado” espectadores é que as atitudes e opções são determinadas por depoimentos reais de jovens nas baladas paulistanas, destilando abomináveis pérolas como a malufista “estupra mas não mata” ou “eu queimava mesmo”, sobre assassinatos de indígenas e moradores de rua.

Comparado por alguns a Laranja Mecânica, clássico de Stanley Kubrick sobre a violência juvenil, o filme tem levantado muita polêmica. Mas merece ser visto, apesar de suas debilidades e contradições, também no que se refere ao conteúdo. Particularmente, em relação ao seu final. Para não estragar a surpresa, basta dizer que, tanto na ficção quanto na realidade, na cama de gato da classe média, sempre há uma válvula de escape.

Post author Wilson H. da Silva, da redação
Publication Date