8ª Assembleia Nacional da ANEL: Um encontro das lutas e dos lutadores


A 8° Assembleia ocorrerá em São Paulo, no dia 21 de março, na na Tenda Cultura Ortega y Gasset da Cidade Universitária da USP (Campus Butantã)

O Brasil respira um ar diferente! A partir das mobilizações de junho do ano passado, vivemos uma nova situação política no país. Em 2013, milhões tomaram as ruas, em especial a juventude, em primeiro lugar para derrotar o aumento das tarifas do transporte público, e fomos vitoriosos. Mas como dissemos desde o início, “nunca foi só por 0,20 centavos”. Continuamos a partir de junho lutando contra as injustiças sociais, pelo Passe-livre e contra o descaso com a saúde e a educação.

A partir de junho, o Brasil dos megaeventos e meganegócios passou a ser o país dos megaprotestos. Foi assim que, nas ruas, dissemos que não iríamos mais aceitar a cortina de fumaça lançada sobre o caos dos serviços públicos, o caos da vida urbana, a falta de perspectivas da juventude e a situação cada vez mais gritante de opressão a qual estão submetidas mulheres, LGBT’s, negros e negras. E é dessa forma que as Jornadas de Junho mostraram que há um novo mundo a ser construído e que as ruas serão seu impulso. É com esse espírito que chegamos em 2014. A Assembleia Nacional dos Estudantes Livre, a ANEL, foi parte das mobilizações a partir das Jornadas de Junho. Esteve nas ruas, ocupou Câmaras de Vereadores e avenidas. Denunciou a repressão, lutou contra os governos e as reitorias.

Enquanto isso tudo acontece, uma certeza não pode se perder:é preciso organizar a nossa revolta! É por isso que a Juventude do PSTU em todo o país está se preparando para participar da 8ª Assembleia Nacional da ANEL, e convocamos toda a juventude estudantil a estar presente neste grande encontro das lutas e dos lutadores. No Brasil, desde 2009, a ANEL cumpre o papel de construir um novo movimento estudantil. A fundação da entidade é expressão do processo de reorganização, quando a UNE abandonou as ruas para entrar nos gabinetes, servindo de “ministério estudantil” do governo do PT. A ANEL está se encaminhando para comemorar 5 anos de muitas lutas. A Juventude do PSTU, desde o início, apostou em sua construção.

2014 já não é diferente!
Esse ano não será diferente! Um fenômeno cultural, como os “rolezinhos” tomou contornos políticos, evidenciou o apartheid social e cultural imposto à juventude negra das periferias. Operários, funcionários públicos, professores e muitas outras categorias estão em luta. Foi assim com a greve dos rodoviários do Rio Grande do Sul, dos operários da construção civil do COMPERJ, trabalhadores dos Correios, e a mais recente, a vitoriosa greve dos Garis do Rio de Janeiro que durou 8 dias  e conquistou 37% de aumento e nenhuma demissão. Além disso, a Fasubra (Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Públicas Brasileiras) aprovou greve nacional e o ANDES (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior) está construindo uma agenda de mobilizações nas universidades por todo o país.

Copa pra quem? Brasil com direitos, saúde e educação!
A realização da Copa do Mundo é o demonstrativo da injustiça social no nosso país. 250 mil pessoas já foram desalojadas pelas obras do megaevento¹ nas 12 cidades-sedes. Foram gastos R$ 28 bilhões com a Copa, 85% são recursos públicos. O governo está bancando a FIFA, grandes empreiteiras e emissoras de TV. Entre as cidades-sedes, metade foram reprovadas na avaliação da transparência, evidenciando a enorme corrupção. Com o que é gasto com a Copa poderia ampliar mais da metade do valor investido em um ano em educação. É por essas e outras que dissemos que a Copa do Mundo não é nossa! Na 8ª Assembleia Nacional da ANEL será o lugar para por em marcha as campanhas nacionais que a entidade já aprovou.

Não à criminalizações dos movimentos sociais! Pela desmilitarização da PM!
O país da Copa do Mundo também é o país da repressão aos movimentos sociais. Gerações passadas lutaram muito para derrubar a ditadura militar, para termos liberdades políticas de organização e manifestação. 50 anos após o golpe militar, na democracia dos ricos, Fabrício Alves é alvejado com três tiros pela PM num ato contra as injustiças da Copa em São Paulo, e centenas de manifestantes são presos durantes as manifestações. Somos contra o AI-5 da FIFA e as tentativas do governo de controle os protestos. Por isso exigimos a desmilitarização da PM.

A juventude negra tem direito ao futuro! Chega de Genocídio do povo negro!
O principal alvo da violência urbana é a juventude negra da periferia. 53% dos assassinatos no Brasil são contra a juventude. De todos os homicídios no país, 75% são de negros. No país da Copa, há um verdadeiro genocídio da população negra, em especial da juventude. O mito da democracia racial diz que no Brasil, por ter havido muita miscigenação, não tem racismo. Como explicar, então, o número de mortes de tantos negros? Ou como explicar que apenas 9% da população negra freqüenta ou já concluiu o ensino superior? Reconhecemos o racismo e é por isso que chamamos uma grande campanha pelo direito ao futuro da juventude negra! Essa realidade tem que mudar. No dia 23 de março, estaremos com a negrada de todo o país no I Encontro Nacional de Negros da CSP-Conlutas. É hora de enegrecer as nossas lutas e nossas vitórias!

Que contradição! Tem dinheiro para a Copa, mas não tem pra educação
A nossa educação pública vive uma situação precária. Mesmo depois das reivindicações por mais investimento em torno da campanha pela aplicação de 10% do PIB em educação pública, o Governo Dilma segue destinando apenas 6% do PIB para o setor. O PNE (Plano Nacional de Educação) aprovado no Senado nem sequer determina que o investimento deverá ser feito na educação pública, abrindo espaço para transferência de recursos público para as grandes empresas de ensio. Esse mantém todos os projetos de precarização e privatização da educação e dos recursos públicos (como o REUNI, PROUNI, FIES…).

Com sonhos e lutas se faz o futuro!
A juventude que luta e sonha tem um encontro marcado com o futuro. Vamos juntos, ocupando ruas e praças. Vamos tomar de volta as cidades. Um novo mundo já não dorme tranquilo em nossas lutas, ele acordou e quer seu lugar na história. Chamamos a juventude do PSOL a estar com presente na 8ª Assembleia Nacional da ANEL para expor suas polêmicas, programas e concepção de movimento. Os coletivos de oposição de esquerda na UNE devem romper com essa entidade e vir construir o novo. Estamos convictos de que a juventude que luta por seus sonhos no Brasil e no mundo ganhará muito com a nossa unidade. E para nós da juventude do PSTU, esse novo mundo é socialista. Vem com a gente!

¹ de acordo com dados da ANCOP – Articulação Nacional dos Comitês Populares.