Empresas devem R$ 545 bi em imposto que levou à alta da gasolina

Se somada à dívida previdenciária, calote chega a R$ 971 bilhões

Um grupo de 1.800 empresas deve ao Governo Federal R$ 545 bilhões em PIS e Cofins, os mesmos impostos aplicados sobre os combustíveis e que foram reajustados recentemente pelo presidente Temer.

Entre as devedoras estão gigantes como Ambev, Itaucard, Walmart e Shell. As informações constam no relatório da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Previdência.

Os tributos deveriam ser destinados à Seguridade Social, da qual faz parte a Previdência, e ajudam a financiar o SUS (Sistema Único de Saúde), seguro-desemprego e abono salarial. Se somado às dívidas em contribuições previdenciárias (R$ 426 bilhões), o calote das empresas chega a incríveis R$ 971 bilhões.

Em documento entregue à CPI, estima-se recuperar apenas R$ 11 bilhões nos próximos dez anos (2017-2026). Enquanto não se esforça nem um pouco para cobrar das empresas, o governo aplicará todas as suas forças nos próximos meses para aprovar a reforma da Previdência e obrigar os trabalhadores a pagar essa conta.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou em entrevista, nesta segunda-feira (7), que quer votar a reforma até o início de setembro. Serão necessários 308 votos para aprovação da proposta no Congresso Nacional, número que o governo ainda não tem.

O presidente Temer se salvou da investigação por corrupção com muita barganha e compra de votos na Câmara. Com a reforma da Previdência não vai ser diferente. Precisamos repetir a forte Greve Geral realizada em abril, que fez o governo recuar em seus planos, para derrotar de vez a reforma“, afirma o secretário-geral do Sindicato, Renato Almeida.

Publicado originalmente no site do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos