O começo da madrugada de sábado (14/11) foi marcado pela ocupação de mais um terreno vazio – dessa vez no bairro Jd. Paraíso em Cajamar, na região metropolitana de São Paulo. Mais de uma dezena de viaturas, entre Polícia Militar e Guarda Civil Municipal, já estão no local ameaçando tirar as famílias à força, sem ordem judicial. Organizadas com o movimento Luta Popular, os sem teto afirmam que vão resistir.

Em meio à maior pandemia do século e uma aguda crise econômica, as cerca de 200 famílias – sem condições de pagar aluguel ou viver de favor – entraram no terreno para reivindicar o direito à moradia digna.

O terreno ocupado, abandonado pelo menos desde 2002, tem parte de sua área delimitada como ZEIS – Zona Especial de Interesse Social. Essa foi a última região do estado de São Paulo a abolir a escravidão e, fazendo um paralelo entre esse histórico e o racismo estrutural que faz com que hoje seja majoritariamente negra a população sem teto, as famílias anunciaram que escolherão um nome ligado a luta antirracista para batizar a nova ocupação.

A escolha por entrar no terreno no fim de semana do pleito municipal não foi à toa. “Sabemos que não é pelas eleições, mas pela nossa própria organização e luta que vamos alcançar as transformações para que nossa sociedade seja de fato justa e igualitária”, afirmou uma nota do movimento Luta Popular.