Com buchada e farofa de ovo, manifestantes questionam gastos do governo de Cid Gomes no Ceará

56
Sem caviar e sem lagosta: cearenses protestam contra luxos do governo
(Foto: Camila Chaves)

 
Longe dos canapés de caviar, crepes de lagosta e escargot na manteiga de alho, foi com buchada e farofa de ovo que os cearenses manifestaram sua indignação diante do valor do contrato fechado pelo governo Cid Gomes (PSB) com serviços de buffet e decoração. Ao todo, serão R$ 3,4 milhões com gastos que incluem alimentos que a maioria da população jamais pode sequer experimentar.
 
O protesto aconteceu no último sábado, próximo ao Palácio da Abolição, e começou a ser convocado pelas redes sociais após o deputado Fernando Hugo (PSDB) ter saído em defesa de Cid Gomes ao afirmar que “O governador não pode oferecer buchada, panelada, sarrabulho e paçoca, porque internacionalmente tem pessoas que se alimentam dentro daquilo ofertado pelo cardápio do buffet”.
 
“Você sabe o que é caviar? Pergunta pro Cid que ele vai te falar”
De forma lúdica, o protesto reuniu diferentes gerações em torno de uma pauta que muito pesa à vida dos jovens e trabalhadores cearenses: as prioridades orçamentárias do governo estadual. Enquanto o Ceará vive uma das piores secas de sua história, o governo constrói um aquário que custará R$ 350 milhões. Com buffet e decoração, somente nos últimos dois anos, foram gastos quase R$ 5 milhões. Mais uma prova de que não se trata de uma novidade.
 
Porém há um elemento novo: a juventude que foi às ruas de Fortaleza em junho, assim como os trabalhadores que pararam suas atividades no 11 de julho, têm mostrado que não irão mais aceitar de forma passiva tais absurdos. Os jovens da Assembleia Nacional dos Estudantes – Livre (Anel), participaram do espaço reivindicando mais investimento em saúde e educação e passe livre, já.
 
Para a estudante Diene Anjo, que participa do Mais Pão Menos Circo, organismo surgido após as mobilizações de junho, “As pessoas abriam os olhos. Elas estão mais interessadas em protestar. As pessoas E ainda que muitas não venham até aqui, elas estão sabendo dos gastos abusivos do governador Cid. Por isso a importância desse ato, para demonstrar que as pessoas apoiam as manifestações e que elas continuam na luta”, afirmou.
 
Nem escargot, nem caviar: fora, coronel do Ceará!
O Palácio da Abolição, onde aconteceria o protesto, foi cercado com grades e recebeu forte reforço policial para garantir sua guarda. Bloqueio do trânsito, revistas e apreensão de objetos como faixas e máscaras, foram constantes. Uma Kombi de som da CSP Conlutas (Central Sindical e Popular) foi impedida de estacionar próximo ao local, sob ameaça de prisão dos sindicalistas. Mais uma demonstração clara de que toda propaganda de diálogo do governo não passa de uma falácia.
 
A militância do PSTU participou da atividade, apresentando seis motivos centrais para exigir o “Fora Cid Gomes!” no Ceará e defendendo amplamente a necessidade de que as mobilizações de rua incorporarem à sua pauta essa bandeira. Um novo Dia Nacional de Paralisações vem sendo convocado pelas centrais sindicais para o 30 de agosto. No Ceará, essa deve ser uma oportunidade para fazermos essa exigência.