Neste sábado, 30 de maio, o nosso companheiro Sebastián Romero foi preso no Uruguai. Sebastián é perseguido político desde o dia 18 de dezembro de 2017 por ter participado, junto a milhares de trabalhadores e trabalhadoras, da mobilização contra a Reforma da Previdência que significou um brutal roubo aos aposentados e aposentadas da Argentina.

O governo na época, de Mauricio Macri, e de sua ministra de Segurança, Patricia Bullrich, tentaram, na figura de Sebastián, demonizar a legítima mobilização popular contra o ajuste. Isso apenas por se mobilizar pela defesa dos aposentados. Há 29 meses que Sebastián não pode ver sua família, nem amigos e amigas, nem seus companheiros e companheiras de militância do PSTU. Pelo mesmo motivo, seu companheiro de partido, Daniel Ruiz, esteve por 13 meses preso injustamente na Penitenciária de Segurança Máxima de Marcos Paz.

Hoje Sebastián é um preso político, o que é inadmissível numa sociedade que se pretende democrática. O governo uruguaio, presidido por Luis Lacalle Pou, deve enviar Sebastián de volta a seu país e permitir a ele comunicação imediata com sua família. Na Argentina, deve ser solto de imediato pelo governo de Alberto Fernandez e pela justiça argentina.

O PSTU Argentina, a LIT e a família de Sebastián convoca o conjunto das organizações a se pronunciar em solidariedade e pela liberdade de Sebastián.