Anúncio do gabinete do Taleban abandona a perspectiva de governo inclusivo

Mullah Abdul Ghani Baradar, anunciado como interino do novo gabinete do Talibã

Vinte dias depois de assumir o controle de Cabul, o porta-voz do Taleban, Zabihullah Mujahid, apresentou o gabinete do Emirado Islâmico do Afeganistão em uma reunião na terça-feira (7 de setembro).

De acordo com a TOLO news, Zabihullah Mujahid afirmou que o Mullah Abdul Ghani Baradar e Abdul Salam Hanafi foram eleitos suplentes interinos do gabinete.

O mulá Mohammad Yaqub se tornou o chefe do Ministério da Defesa; Sirajuddin Haqqani se tornou o chefe do Ministério do Interior; e o mulá Mir Khan Mottaqi se tornou o chefe do gabinete provisório.

Mujahid acrescentou que o Mullah Hedayatullah Badri é o chefe do Ministério das Finanças, Mawlawi Noorullah Munir é o chefe do Ministério da Educação e o Mullah Khairullah Khairkhah é o chefe do Ministério da Informação e Cultura do gabinete interino.

Mujahid afirmou que Maulvi Din Mohammad Hanif é o chefe do Ministério da Economia, Maulana Noor Mohammad Saqib é o chefe do Ministério da peregrinação e beneficência, Maulvi Abdul Hakim Shri é o chefe do Ministério da Justiça e Melanurullah Nouri é o chefe do Ministério de Assuntos Fronteiriços e Assuntos Tribais.

O porta-voz do Taleban disse ainda que o Mullah Mohammad Younis Akhundzadeh será o chefe do Ministério do Desenvolvimento Rural, Mohammad Khalid, chefe de Convocação e Orientação e, propagando o bem e proibindo o mal, o Mullah Abdul Manan Omari será o chefe do gabinete interino.

Ele continuou: Haji Mohammad Issa é o chefe do Ministério de Minas e Petróleo e Mullah Abdul Latif Mansour é o chefe do Ministério de Água e Eletricidade.

De acordo com Mujahid, o Mullah Hamidullah Akhundzadeh foi nomeado chefe do Ministério da Aviação e Transporte, e Mawlawi Abdul Baqi Haqqani foi nomeado chefe do Ministério de Educação Superior do gabinete interino.

No gabinete nomeado, o mulá Mohammad Hassan Akhund, um dos fundadores do Talibã que ficou fugitivo do FBI americano, foi nomeado primeiro-ministro interino. Seu nome também está na lista de procurados da ONU. O mulá Abdul Ghani Baradar, outro fundador do Talibã, foi nomeado primeiro vice-primeiro-ministro. Sirajuddin Haqqani, ministro do Interior em exercício no gabinete do Emirado Islâmico do Afeganistão, também é um dos líderes da rede Haqqani, pela qual os Estados Unidos estabeleceram uma recompensa de US$ 10 milhões. A Rede Haqqani é um grupo classificado de terrorista no Paquistão e no Afeganistão pelos EUA.

A reação do povo afegão e a preocupação da comunidade internacional em relação ao gabinete do Talibã

Vários partidos e analistas políticos, ex-funcionários republicanos e especialmente a oposição, reagiram fortemente após o anúncio do gabinete provisório do Talibã.

Vários oponentes do Talibã alertaram que em breve anunciarão sua posição sobre o governo e o futuro do Afeganistão.

O senhor da guerra Ahmad Massoud, que lidera a frente anti-Talibã em Panjshir e nos distritos de Andarab, Pol-e Hesar, Banu e Deh Salah lançou um comunicado que diz que “No passado, o povo do Afeganistão resistiu ao egoísmo, ao extremismo, à luta contra o terrorismo, ao governo anti-mulheres e continuará a lutar para salvar o país do Talibã e dos terroristas“.

O povo do Afeganistão, até certo ponto, esperava que o Talibã cumprisse o compromisso de formar um governo abrangente depois de capturar Cabul e mudar sua abordagem em relação ao passado e prometer ao povo afegão que formariam um governo inclusivo. Mas o gabinete do Talibã mostrou que o Talibã há muito busca o monopólio do poder e da política e, nos últimos dias, suprimiu violentamente os protestos populares, o que deixa claro que o Talibã não mudou em comparação com o passado.

O Talibã ignorou grande parte do Afeganistão ao anunciar seu gabinete monocrático porque, de acordo com o Artigo 4 da Constituição afegã, a soberania nacional no Afeganistão pertence a uma nação que a exerce diretamente ou por meio de seus representantes. O povo do Afeganistão é formado por vários grupos étnicos (pashtun, tadjik, hazara, uzbeque, turcomano, baluchi, mosquito, nuristani, aimaq, árabe, quirguiz, ghezelbash, gujar, brahman e outros). Mas infelizmente o gabinete formado é 99% pashtun. Consequentemente, dada a situação cultural, histórica, de costumes, religiosa, étnica e regional do Afeganistão, tal gabinete não tem uma legitimidade entre o povo do Afeganistão.

O Talibã não está cumprindo sua palavra, eles mentiram não apenas para o povo afegão, mas também para a comunidade internacional. Eles estão violando seus compromissos. Apesar da insistência na formação de um governo que inclua todos os grupos étnicos e círculos políticos, o gabinete liderado pelo Talibã é todo talibã e não inclui mulheres e as diversas etnias. Este ato dos opressores dificulta o reconhecimento do novo regime pela população e pela comunidade internacional.

Yahya – 7 de setembro de 2021

***

O fim da ocupação americana e o derramamento de sangue de pessoas inocentes

Enquanto as forças dos EUA dizem que atentados suicidas de militantes do ISIS-K no aeroporto de Cabul foram vingados, o número de mortos do ataque do drone americanos ampliou o número de vítimas.

O carro atacado por americano drones tinha civis, e vários carros e casas foram destruídos. Os familiares das vítimas dizem que dez pessoas, incluindo cinco crianças, perderam suas vidas neste ataque. Todos eles pertencem à mesma família.

Eu gostaria de ter perdido minha vida com minha família neste ataque“, disseram parentes das vítimas. “As vítimas são civis “, reconheceram fontes do Talibã.

A questão é por que os Estados Unidos, que se consideram uma superpotência global e falam em tecnologia avançada, promovem essas atrocidades?

Na opinião do povo local, trata-se de um crime contra a humanidade.  A família da vítimas queria ir para os Estados Unidos.

A América não é responsável? O que foi a culpa dessas crianças e adolescentes inocentes? Quando terminará a crise no Afeganistão criada pelo imperialismo e capitalismo dos EUA?

Após a guerra de informações, o acordo de Doha deu ao povo afegão a esperança de que a guerra acabaria, e com ela o derramamento de sangue. Mas os bombardeios americanos contra civis são um fato que acontecem há vários anos.

  1. Por que os Estados Unidos estão atualmente conduzindo ataques aéreos se o fim da ocupação foi assinado e concluído sob o Acordo de Doha com o Talibã?
  2. Os Estados Unidos estão autorizados a interferir nos assuntos internos do Afeganistão de acordo com com o direito internacional e o Acordo de Doha?
  3. Com essas, surge outra questão: por que o Talibã, como o dirigente do Emirado Islâmico do Afeganistão, se limita a condenar esses ataques desumanos?

Ao fim da ocupação, os aspectos ocultos dos ataques americanos

Vejamos o ataque desavergonhado dos Estados Unidos, que ainda tenta perseguir suas políticas imperialistas, bombardeando pessoas que trabalharam com os Estados Unidos e queriam sair do país e ir para os Estados Unidos.

Apesar da intensa violência que infligiu ao Afeganistão, quem não aprendeu com suas falhas e erros em 20 anos é a América, que sequer admite sua responsabidade por interferir nos assuntos internos do Afeganistão durante a antiga era soviética.

No entanto, todas essas ações e políticas dos EUA estão em questão. Perdeu seu poder hegemônico na região e no mundo, e então ele não pode esconder sua derrota.

Com suas políticas secretas, os Estados Unidos podem estar por trás do ISIS-K e suas atividades.

Talvez seja o objetivo dos EUA tornar o Afeganistão inseguro e caótico retirando-se, para criar um mentalidade que obriga as pessoas a defenderem “democracia” imperialista que durante vinte anos não garantiu justiça social real.

China, Rússia e Irã parecem ter interesses em cooperar com o novo regime.

É hora de os afegãos fazerem bom uso do vácuo político lutando pela justiça social. A competição regional e global ainda existe e usa cada opção. Se o ISIS-K se fortalece como um novo pensamento com o apoio de alguns países, será um grande perigo para o Afeganistão e a região. Mas o ISIS-K não tem raízes sociais e é um fenômeno externo que deve ser erradicado.

Em um vazio político, quem é o responsável?

No Afeganistão, o Talibã deve responder ao ataque desumano de ontem. Se eles não concordar com as ações e ataques dos EUA, eles devem agir de acordo com o direito internacional para que a população não seja prejudicada e a compensação seja paga às famílias que foram prejudicadas nos últimos 20 anos. Temos que reclamar indenização para as vítimas de um agressor estrangeiro, porque nos últimos 20 anos a ocupação americana tem que indenizar todos os seres humanos vitimados.

Devemos lutar coletivamente. O Afeganistão, em constante crise, também têm uma grande oportunidade de acabar com a ocupação imperialista e o sistema capitalista dos Estados Unidos.

A estabilidade do Afeganistão destruirá as raízes do ISIL-K e do terrorismo internacional que escolhem áreas inseguras e desordenadas para seu crescimento.

Yahya – 31 de agosto de 2021

*****

Afeganistão: a derrota do imperialismo e capitalismo americano

Aparte os políticos e mercenários do sistema capitalista, ninguém se opõe à paz e ninguém é a favor da guerra.

Por anos, o Afeganistão tem estado em uma guerra por procuração imposta aos afegãos por radicais da região. O povo do Afeganistão nunca concordou com a guerra e não se opõe à paz. Todo mundo quer paz, todo mundo quer voltar para seu país e conquistar seus direitos nacionais, todo mundo quer ter um Afeganistão estável e próspero para viver em paz. Por que o Afeganistão está hoje em uma guerra e não teve uma verdadeira paz por anos?

Agora o Talibã se apresenta como diferente do antigo Talibã. De onde vieram todos esses talibãs? Não é possível que os Estados Unidos tenham planejado e legitimado um acordo secreto com eles? Pelo seu comportamento, fica claro que o governo islâmico é pautado pela tendência capitalista americana.

O povo do Afeganistão odiava o governo que fora desenhado pelo imperialismo e capitalismo dos EUA. Em alguns casos as leis foram violadas, o que não é endossado pelo verdadeiro Islã. Mas os Estados Unidos seguiram suas políticas imperialistas e o povo foi usado. Mais uma vez, o Afeganistão foi colocado nas mãos do capitalismo-imperialismo mercenário.

O Afeganistão estava ocupado pelo imperialismo e capitalismo norte-americano e seus apoiadores, e hoje o Taleban, que saiu de um acordo secreto, determinará o destino dos afegãos.

Hoje, o povo afegão não acredita que um sistema capitalista falido e sem sentido irá transformá-lo em um Estado na região. Hoje, o povo afegão está cansado da guerra, mas não espera que o Talibã lhes traga paz e segurança e os livre da escravidão do imperialismo e do capitalismo.

O povo do Afeganistão não quer a guerra e não se opõe à paz. Os afegãos querem uma paz real. Todos os partidos devem lutar pela justiça social para que os afegãos possam mudar o Afeganistão. Se o Taleban não se render à vontade do povo afegão e o colocar sob o jugo do imperialismo e capitalismo dos EUA, o povo afegão nesta terra fará com que o governo não permaneça e seja destruído.

Os afegãos não concordam com a guerra e a guerra não é a solução

Se o Talibã se alia a seus apoiadores capitalistas e as negociações sobre justiça social não têm resultados positivos; se o Talibã não aceita a vontade do povo afegão, não pede perdão ao povo afegão e não respeita os direitos de todas as classes e do Islã, e não aceita os valores humanos e a justiça social, o Talibã nunca poderá governar esta terra. O povo do Afeganistão não vai recuar. O Talibã tirou o Afeganistão de seu traidor, o ex-presidente Ghani, um escravo do imperialismo e do capitalismo dos EUA. Mas eles não podem governar uma nação oprimida que derrama sangue há anos por sua justiça social e valores. O povo do Afeganistão não concorda com a guerra.

Lutemos pela justiça social

A morte de vários americanos nos ataques no aeroporto de Cabul é condenada pelo mundo e as autoridades americanas reagem fortemente. Mas, e os milhares de jovens afegãos que morreram inutilmente neste e outros ataques? Apesar da opressão do povo do Afeganistão, por que o mundo se limita a lamentar os mortos estrangeiros?

Isto são os direitos humanos sob o imperialismo e o capitalismo, este é o fantoche das Nações Unidas no Ocidente, e esta é a miséria de um país chamado Afeganistão.

O nosso azar é que acreditávamos no imperialismo e no capitalismo ocidental e nas falsas promessas dos seus mercenários.

O povo afegão está profundamente preocupado atualmente que algo novo possa acontecer no Afeganistão. As reuniões nos bastidores para atender aos objetivos do imperialismo e do capitalismo ocidental e as negociações são uma grande conspiração para deixar o Afeganistão para os novos mercenários do imperialismo e do capitalismo.

Infelizmente, se a situação no Afeganistão continuar da mesma forma e o monopólio do poder estiver nas mãos dos mercenários do imperialismo e do capitalismo norte-americano, existe a possibilidade de desintegração. E então haverá uma guerra completa em que ocorrerá a possibilidade de desintegração, que só beneficiará o imperialismo americano, o capitalismo e seus aliados.

O povo do Afeganistão espera que este problema seja resolvido o mais rápido possível sob a égide da justiça social, caso contrário, uma nova guerra estourará, o que é uma catástrofe.

Prova da venda da pátria

Os mesmos homens e mulheres que eram advogados, presidentes e ministros com veículos blindados e guarda-costas, iam ao parlamento e aos tribunais e inspecionavam as cidades e gritavam na sede do parlamento, e seus funcionários políticos, a cada minuto, defendiam os direitos das mulheres. Agora, onde está aquela república rica? Por que eles não têm voz agora? Por que sua república também confiou e apoiou o imperialismo e o capitalismo americanos?

Os mercenários do imperialismo e do capitalismo no Afeganistão têm laços profundos com os Estados Unidos há duas décadas. Agora eles se foram para qualquer país com o dinheiro dos endividados, das viúvas, dos órfãos e dos pobres.

Dr. Ghani, ex-presidente do país

Ele conseguiu tomar o trono por meio de uma fraude e, em seguida, criou um sistema tribal fascista. Ele matou milhares de jovens heróis desta terra. Ele deu todas as propriedades públicas para sua esposa Bibi Gol. Por causa de seu objetivo sinistro, ele levou os afegãos para outra guerra massiva. Seu trabalho não termina aqui.

Ghani e seu negócios secretos com os Estados Unidos arruinaram o povo do Afeganistão.

Comandantes e generais patrióticos estão cientes da venda

Sabemos que os comandantes patrióticos do país se venderam à riqueza do ex-presidente. A terra do Afeganistão foi de outra forma cedida à tribo mercenária do imperialismo e capitalismo dos EUA.

O povo desta terra sabe que  as mãos dos soldados estão atadas a um grande plano que foi planejado com antecedência.

Então, o povo do Afeganistão deve assumir a responsabilidade por esta terra e pelos mártires da pátria, pela liberdade e justiça social de todas as etnias (tadjiques, pashtun, uzbeques, árabes e outras) que são o tecido desta terra. Um governo conjunto deve ser formado para defender os valores da justiça social colocando fim ao segundo capítulo do imperialismo e do capitalismo. Devemos trabalhar juntos, porque a posição das pessoas no campo da justiça social pode ser despertada.

Afegãos com zelo e dignidade nunca aceitarão viver sob a opressão dos mercenários do sistema capitalista e das classes extremistas.

Por justiça social duradoura, paz real e um Afeganistão estável, livre e próspero!

Yahya – 29 de agosto de 2021