Foto: Valdeck Lopes - @valdecklopesoficial

PSTU-Piauí

O PSTU e o Polo Socialista Revolucionário fizeram o lançamento da pré-candidatura do professor Geraldo Carvalho ao governo do Piauí, nesta segunda-feira (20/06), às 17h, no auditório do Sindicato dos Rodoviários. Foram lançadas também as pré-candidaturas de Fran de Jesus, mPSTUilitante do movimento popular, ao cargo de vice-governadora; do professor Gervásio Santos ao Senado; da professora Yara Ferry à deputada estadual; e do agricultor familiar Tibério César, a deputado federal.

O evento contou com a presença de Vera, pré-candidata a presidência da república pelo PSTU e Polo Socialista Revolucionário, e reuniu ativistas de movimento por moradia, trabalhadores dos correios, rodoviários, servidores da educação municipal e estadual em greve, docentes de instituições de ensino superior, estudantes, dentre outras categorias. Além de contar com pessoas de Teresina, o evento foi prestigiado por ativistas de Picos e Piripiri. Mais de 40 pessoas participaram o lançamento.

“As pré-candidaturas de Vera e dos os nomes apresentados em nível estadual, apresentarão uma saída socialista frente a grave crise social no país e no Piauí, que atinge sobretudo o povo pobre e trabalhador”, afirma Geraldo Carvalho. No ato do lançamento, Vera ressaltou a importância das pré-candidaturas no Piauí, “como alternativa da classe trabalhadora que sofre com o problema da fome, do desemprego, enquanto um punhado de bilionários veem suas riquezas aumentarem”.

Uma das questões abordadas no discurso de Vera foi o preço dos combustíveis e do gás de cozinha. “Estamos enfrentando o problema da inflação. O maior desespero de muitos trabalhadores e trabalhadoras é pensar que o gás de cozinha está acabando. O Brasil é um dos maiores produtores de petróleo no mundo, a partir da Petrobrás. Mas a política de paridade de preço internacional faz com que os trabalhadores brasileiros, que ganham em real, paguem pelos combustíveis, na prática, em dólar, num preço altíssimo. Tudo isso pra garantir o lucro exorbitante dos acionistas privados da Petrobrás. Bolsonaro poderia acabar, com uma só canetada, com essa política de paridade internacional de preço. Não faz isso porque não quer se enfrentar contra os acionistas que compraram ações da Petrobrás nos leilões de petróleo feitos por Fernando Henrique, Lula, Dilma e por ele mesmo. É preciso tornar a Petrobras 100% estatal”, defendeu Vera.

Durante a visita a Teresina, nos dias 20 e 21 de junho, Vera manifestou apoio às greves dos trabalhadores da educação no município de Teresina e do Estado, que já passa dos 120 dias. Como parte do apoio da pré-candidata à greve dos trabalhadores da educação municipal, a primeira atividade política de Vera na manhã do dia 20 de junho foi uma visita ao Sindicato dos Servidores Municipais (Sindserm), onde concedeu entrevista coletiva aos meios de comunicação locais.

Quem é Geraldo Carvalho?

Geraldo Carvalho tem 63 anos, é professor da Universidade Federal do Piauí (UFPI) em Floriano. É um histórico quadro do movimento sindical do Piauí desde o final dos anos 1980. Já foi presidente do Sindicato dos Bancários e dirigente do Sindicato Nacional dos Professores de Instituições de Ensino Superior (Andes SN). Já foi candidato ao Senado, a prefeito de Teresina e ao governo do estado pelo PSTU. Foi militante do PT até 1997, quando rompeu com a organização para então construir o projeto revolucionário e socialista do PSTU.

“O Piauí é um dos estados com maiores índices de desigualdade social, o que coloca os trabalhadores em condições de vida dificílimas, no campo e na cidade. Enquanto as grandes empresas e o latifúndio são beneficiados com políticas de isenção de impostos e investimentos públicos, os trabalhadores são brutalmente explorados com péssimos salários e expulsos de suas terras, inclusive indígenas e quilombolas. Os sucessivos governos do Piauí aprofundam a crise dos trabalhadores e, como o governo atual do PT, serviram às grandes empresas e deixaram aos trabalhadores mais pobreza e desemprego, e precariedade nos serviços públicos”, afirma Geraldo Carvalho.

“Nossa pré-candidatura apresenta uma saída socialista da crise. Isso requer o confronto contra o continuísmo do governo do PT no Piauí, contra a chapa de Rafael Fonteles, cujo vice é um conhecido político da oligarquia estadual, Themístocles Sampaio (MDB). Ao mesmo tempo, nossa candidatura também é uma alternativa radicalmente contrária as candidaturas da direita tradicional, como a de Sílvio Mendes (União Brasil), um bolsonarista. Para mudar esse quadro social é preciso enfrentar os grandes grupos empresariais, reestatizando e desapropriando as grandes empresas e colocando sua produção e patrimônio a serviço da população do Piauí”, finaliza.