O PSTU e o Polo Socialista e Revolucionário realizaram o lançamento das pré-candidaturas do rodoviário e líder sindical Antônio Nascimento ao governo, e de Alice Maciel a sua vice, docente aposentada e ativista dos movimentos sociais. O evento contou com a presença de Vera, pré-candidata à Presidência pelo PSTU e o Polo Socialista e Revolucionário. O evento aconteceu no último dia 8 na sede do Sintect-PB e contou com a presença de militantes, apoiadores e convidados da categoria dos rodoviários, trabalhadores dos Correios, professores, estudantes, e ativistas, dentre outras categorias, reunindo de 45 pessoas.

O PSTU e o Polo Socialista e Revolucionário apresentaram uma saída socialista frente às necessidades mais sentidas pelo povo pobre e trabalhador da Paraíba, que vive em uma situação de extrema desigualdade social e sem acesso à maioria das políticas públicas por parte do Estado.

Em sua fala Nascimento  denunciou a precariedade que a categoria dos rodoviários enfrentam, com a dupla jornada de trabalho, a redução de direitos, e defendeu a estatização do sistema. Falou ainda das dificuldades que a população vem enfrentado com o mal funcionamento do sistema de transporte que, além de caro, não garante o direito de ir e vir para classe trabalhadora. Citou também o fato de que, na questão da educação, a população sofre com as condições precárias, e a desigualdade social uma vez que 40% dos lares sobrevivem com meio salário mínimo, e que a grande João Pessoa é uma das regiões de maior desigualdade do Brasil.

Alice colocou a situação difícil em que a maioria das mulheres vivem frente as várias violências que sofrem. Lembrou que apesar de sermos 54,5% da população não temos o respeito e a representatividade política devida. Defendeu também que temos um papel importante, e que a construção de uma nova sociedade socialista passa por debatermos e construirmos essa nova alternativa juntos.

Visita de Vera à comunidade Aratu
Visita à fábrica Alpargatas, em Campina Grande

Vera e os pré-candidatos tiveram uma extensa agenda, com entrevistas em rádios e TV, visita às ocupações do Aratu, no bairro de Mangabeira Vlll, em João Pessoa, onde conversaram com as mulheres do clube de mães de Janaína. E visita também na comunidade Luiz Gomes, no bairro Jardim Paulistano, com Edvan em Campina Grande. E também na porta da fábrica Alpargatas.

Em suas falas, Vera coloca toda a dificuldade imposta pelo governo genocida de Bolsonaro, que matou 650 mil pessoas numa pandemia que ainda não acabou, e que entrega nossas empresas públicas à iniciativa privada. Falou ainda sobre a degradação da Amazônia, a matança dos líderes indígenas, quilombolas, os assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, o armamento das milícias, os ataques às liberdades democráticas e o seu ódio e desrespeito às mulheres.

Vera defendeu ainda que, diante desse sistema capitalista que nos ataca constantemente, e da colaboração da dita esquerda, como a candidatura Lula, que se alia aos nossos inimigos da burguesia como Alckmin, um dos responsáveis pelo massacre do Pinheirinho e envolvido no escândalo do desvio das merendas, está colocada a união da classe trabalhadora para tomar e controlar os governos.  Essa democracia burguesa governa para a elite e não para nossa classe trabalhadora.

Devemos juntos construir uma alternativa socialista para nossa classe.

Foram dois dias de muitas atividades, com entrevistas às rádios no jornal da manhã da Jovem Pan FM 102,5MHz e no Jornal das Dez da rádio Tabajara e no Conexão Master com Alex Filho.