Na manhã de sábado, 22/01/2022, no município de Santa Luzia do Parua, Maranhão, madeireiros cercaram o carro em que estavam duas pessoas, entre elas, uma liderança Ka’apor, que por motivo de segurança, não terá o nome divulgado. Queriam atacá-los, mas se abrigaram num restaurante e depois foram até a delegacia de polícia civil. A tensão é grande e um conflito físico pode ocorrer nos próximos dias.

Entre os dias 18 e 20 de janeiro o povo Ka’apor realizou seu 2º Encontro de Governança e Autodefesa, discutindo sua organização interna e o mapeamento etnocartográfico de seu território. Durante o encontro foi criada a 11ª área de proteção do território Ka’apor, no município de Nova Olinda-MA.

O Território Alto Turiaçu é apenas uma parte de uma extensa área que pertencia ao povo Ka’apor. Ele fica na fronteira com o Pará, na Amazônia maranhense, se estende por áreas de alguns municípios maranhenses. É uma das últimas áreas de floresta amazônica no Maranhão. Apesar de ser homologado, o território sofre invasões ilegais de madeireiros, caçadores, grileiros e pressão de mineradoras. Madeireiros extraem ilegalmente a madeira do território e, para isso, contam com a omissão do governo estadual, das polícias locais e federal e conivência de órgãos federais, como o Ibama e a Funai.

Não bastasse isso, os agressores ainda recebem o apoio do governo Bolsonaro, que busca legalizar a destruição das florestas e regularizar a mineração em território indígena. Alguns prefeitos da região que são do mesmo partido do Presidente da República (PL) já se anteciparam autorizando abertura de garimpo no município e apoiam extração ilegal de madeira no território Ka’apor.

Para além de proteger a floresta em si, as áreas de proteção representam uma estratégica de impedir a entrada de madeireiros e outros criminosos. Elas são novas comunidades criadas na rota de entrada ilegal. A intenção é que a presença da nova comunidade impeça a entrada de agressores, o que tem conseguido sem a necessidade do confronto físico. Impedem que aqueles que invadem ilegalmente o território continuem a lucrar com a destruição da natureza e a agressão ao povo Ka’apor. Por isso, os criminosos começam a reagir.

Quem lucra com a extração ilegal no território Ka’apor?

A madeira e o ouro extraídos nos territórios indígenas são comercializados nos circuitos locais, nacional e internacional. Denúncias na grande imprensa informaram que o ex-Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, viabilizou a exportação de madeira extraída criminosamente da Amazônia e que até o Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão, estaria envolvido nas negociações da extração ilegal de ouro na região.

Em dezembro último, no ramal Tancredo Neves, município de Nova Olinda do Maranhão, os Ka’apor encontraram um caminhão com duas pessoas que iriam buscar madeira dentro do território. Após os indagarem, os liberaram pedindo que não retornassem mais. Os homens abordados relataram que o caminhão pertencia ao vereador João Xavier, que teria um acordo com o prefeito de Araguanã, Flávio Amorim (PL), para retirar madeira naquele ramal.

Os Ka’apor relatam que encontraram bastante árvores já derrubada. Com a criação da nova área de proteção, os madeireiros ficaram impedidos de retirá-las e reclamam do prejuízo.

No mesmo município, no povoado Betel, se instalou uma família indígena de outra etnia. Seu povo a teria expulsado do seu território porque ela estaria comercializando madeira ilegalmente. Ela passou a se apresentar como representante Ka’apor e a negociar a entrada de madeireiros no território.

Numa das negociações, teria recebido R$ 5 mil, mas os madeireiros não conseguiram extrair a madeira. A família foi pressionada, e, como compensação, um de seus membros, Antônio Guajajara, teria dado a identificação das lideranças Ka’apor, que agora se encontram expostas, perseguidas e ameaçadas.

Um vereador conhecido como Bené, do município de Nova Olinda do Maranhão, foi encontrado no mesmo ramal com alguns peões de madeireiros. Ao ser abordado pelos Ka’apor, falou que todo mundo comete irregularidades no município.

Já o prefeito de Centro Novo do Maranhão, Júnior Garimpeiro (PL), organiza caçadas e pescarias ilegais no território, na região onde fica a área de proteção Gurupiuna, e supostamente busca também identificar locais para a extração de ouro. Já existe uma empresa instalada na sede do município, cujo objetivo é a exploração desse minério. Em março de 2021, ele foi abordado por uma liderança do Conselho de Gestão Ka’apor (Tuxa ta Pame) que o expulsou do território, ainda que ele estivesse acompanhado por capangas armados. Na ocasião fez várias ameaças aos indígenas, mas foi preso um tempo depois por porte ilegal de armas. Denúncias indicam que, agora solto, está organizando invasões ao território com voadeiras pelo rio Gurupi.

Cresce a tensão com o descaso dos governos

As inúmeras agressões ao território Ka’apor, a outros territórios indígenas e quilombolas são de conhecimento do governado Flávio Dino (ex-PCdoB e atualmente PSB) e seus secretários que pouco ou nada fazem para impedi-las.

No dia 22/01/2021 o carro em que estava a liderança Ka’apor foi cercado por três pick-ups Hilux e um automóvel Corola. Um dos motoristas de uma pick-up apontou em direção a liderança fazendo ameaças. A liderança e a outra pessoa usaram um restaurante como abrigo. Depois, se dirigiram até a delegacia de polícia, ficando na frente das 12h às 15h, sem serem atendidas.

Fizeram contanto com outras lideranças Ka’apor que passaram a se mover para a cidade e também contataram com SMDH, CIMI e PPDDH do Maranhão. A Secretaria de Segurança Pública foi acionada e a PM fez a escolta da liderança até a comunidade indígena. Apesar disso, não há manifestação do governo estadual, e menos ainda do federal.

Em resposta, os Ka’apor fecharam o ramal, estão reforçando o número de indígenas na área de proteção e informam que vão continuar defendendo o seu território com a força que já demonstraram em diversas ocasiões ao longo de sua história.

Governo estadual não pode continuar omisso

Diante de uma situação de injustiça o silêncio é cúmplice. O governo estadual tem que agir contra os criminosos como forma de impedir a continuidade dos crimes e um confronto físico que redunde em mortos e feridos. O mesmo tem que ser feito pelo Ministério da Justiça e Polícia Federal.

Exigimos a imediata proteção aos Ka’apor, a investigação e prisão dos criminosos que extraem ilegalmente madeira do território indígena, que estão perseguindo, ameaçando e planejam agredir e cometer assassinatos de suas lideranças, como aconteceu anos anteriores, sem que os mandantes e executores fossem penalizados.

ASSINAM
1. CONSELHO DE GESTÃO KA’APOR (TUXA TA PAME)
2. CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO – MARANHÃO
3. JORGE ALBERTO PAREDES COIMBRA – UNIBOL APIAGUAIKI TÜPA – BOLÍVIA
4. PUEBLO SHUAR ARUTAM – EQUADOR
5. MOVIMENTO XINGU VIVO PARA SEMPRE
6. CACIQUE BABAU TUPINAMBÁ
7. LAND IS LIFE – EUA
8. ZERO TOLERANCE INITIATIVE – EUA
9. POEMA – ALEMANHA
10. FÖRDERVEREIN INDIANERVOLK KA’APOR – HILI, JENS E EDITH – SUÍÇA
11. XAVIER VAN WELDEN – UNIVERSIDADE DE LILLE – FRANÇA
12. ASSOCIAÇÃO DE USUÁRIOS DE TRANSPORTE (SÃO LUÍS/MA)
13. COMISSÃO DE TRANSPORTE DE ALEGRIA MARACANÃ (SÃO LUÍS/MA)
14. FEDERAÇÃO DAS ENTIDADES DA ÁREA ITAQUI BACANGA
15. ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E BENEFICENTE DO BAIRRO MATINHA
16. BRIGADA ANTIFASCISTA LUCAS EDUARDO MARTINS
17. MOVIMENTO LESTE MARANHENSE-CERRADO
18. ASSOCIAÇÃO GUAPÉ
19. COMISSÃO PERMANENTE DE SAÚDE E MEIO AMBIENTE
20. SAVE THE RAINFOREST – SALVE A FLORESTA -ALEMANHA
21. ARMUT UND UMWELT IN AMAZONIEN E.V – POBREZA E MEIO AMBIENTE NA AMAZÔNIA
– ALEMANHA
22. MOVIMENTO LUTA POPULAR
23. MOVIMENTO NACIONAL QUILOMBO RAÇA E CLASSE
24. MOVIMENTO RESISTÊNCIA POPULAR/DF
25. BRIGADAS POPULARES
26. CEPASP (PARÁ)
27. COMUNA CEPASP (PARÁ)
28. MML – MOVIMENTO MULHERES EM LUTA
29. CANAL POROROCA CABANA
30. QUILOMBO RACA E CLASSE – PA
31. SDDH/PA
32. MRS
33. PSTU/PA
34. UNIÃO DE MORADORES DO RIO DOS CACHORROS – MA
35. UNIÃO DE MORADORES DO TAIM – MA
36. CONSELHO COMUNITÁRIO PELA PAZ ANJO DA GUARDA LL (SÃO LUÍS/MA)
37. FÓRUM MARANHENSE DE MULHERES
38. MOVIMENTO MULHERES EM LUTA DO MARANHÃO
39. MOVIMENTO DE DEFESA DA ILHA (SÃO LUÍS – MA)
40. SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA POLÍTICA – SEP
41. GRUPO DE ESTUDOS: DESENVOLVIMENTO, MODERNIDADE E MEIO AMBIENTE DA
UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO (GEDMMA/UFMA)
42. NEAz – NÚCLEO DE ESTUDOS AMAZÔNICOS (UnB)
43. GEIPAM- GRUPO DE ESTUDOS PESQUISAS INTERCULTURAIS PARÁ-MARANHÃO (BRAGANÇAPA)
44. ASSOCIAÇÃO AGROECOLOGIA TIJUPÁ – MA
45. COOPEVAX (COOPERATIVA DE AGRICULTORES DA VOLTA GRANDE DO RIO XINGU) – PA
46. COLETIVO FEMINISTA LUTA SOCIALISTA
47. COORDENAÇÃO ANARQUISTA BRASILEIRA
48. MOVIMENTO DE ORGANIZAÇÃO DE BASE
49. MOVIMENTO HIP HOP QUILOMBO BRASIL
50. MOVIMENTO HIP HOP ORGANIZADO DO MARANHÃO ” QUILOMBO URBANO”
51. OBSERVATÓRIO DOS CONFLITOS URBANOS E SOCIOAMBIENTAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL
52. UNIÃO DE MORADORES DE ARGOLA E TAMBOR (CIDADE NOVA)
53. CENTRO DE CULTURA NEGRA DO MARANHÃO (CCN-MA)
54. COMISSÃO NACIONAL DE FORTALECIMENTO DAS RESERVAS EXTRATIVISTAS COSTEIRAS E
MARINHAS – COFREM
55. CSP-CONLUTAS – CENTRAL SINDICAL E POPULAR
56. SINDICATO DOS METALURGICOS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS E REGIÃO/SP
57. SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL NO ESTADO DE SÃO PAULO
58. SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL NO ESTADO DE SÃO PAULO
59. SINDICATO DOS TRABALHADORES DA USP – UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO/SP -SINTUSP
60. SINDICATO DOS TRABALHADORES NA EMPRESA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS DO VALE DO
PARAIBA/SP
61. SINDICATO DOS TRABALHADORES DA IND. DA CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO
METROPOLITANA DE FORTALEZA
62. SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTE RODOVIÁRIO DO CEARÁ
63. SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE JUAZEIRO DO NORTE/CE
64. SINDICATO DOS TRABALHADORES NA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO FEMININA DE
FORTALEZA/CE
65. SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FEDERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO
66. SINDICATO DOS COMERCIÁRIOS DE NOVA IGUAÇU/RJ
67. SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE LIMOEIRO DO
NORTE/CE
68. SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FEDERAL EM ALAGOAS
69. SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS EMPRESAS DE TRANSP. RODOV DE PASSAG.
INTERMUN. EST. CE
70. SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MPU NO MARANHAO
71. SINDICATO DOS TRABALHADORES NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIARIO DE
BELEM/PA
72. SINDICATO SERVIDORES DA SAÚDE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE
73. SINDICATO MUNICIPAL DOS PROFISSIONAIS DE ENSINO DA REDE OFICIAL DO RECIFE/PE
74. SINDICATO DOS TRABALHADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL/RJ
75. SINDICATO DOS MUNICIPÁRIOS DE STA BARBARA DO SUL/RS
76. SINDICATO DOS TRABALHADORES EM PROCESSAMENTO DE DADOS NO ESTADO DO RIO
GRANDE DO SUL
77. SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE PASSO FUNDO/RS
78. SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE SANTA CRUZ DO SUL
79. SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS IND. DE CIMENTO, CAL, GESSO E CERÂMICA DO
MUNIC. DE ARACAJÚ/SE
80. SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS URBANAS DO ESTADO DE GOIÁS
81. SINDICATO DOS MUNICIPAIS DE STA BÁRBARA, BARÃO DE COCAIS E CATAS ALTAS
(SINDICABASA) MG
82. SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DE MONTE CARMELO E REGIÃO MG
83. SERVIDORES PÚBLICOS DE SANTA CRUZ MG
84. SINDCEFET/MG – SINDICATO DOS DOCENTES DO CEFET/MG
85. SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE BH
(SINDREDE BH-MG)
86. SINDSAÚDE – SUBSEDE CONTAGEM/MG
87. SINDICATO DOS SERVIDORES ATIVOS E INATIVOS DE TRÊS PONTAS/MG
88. SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASS. PESQ. PER. INF E CONG DE MG
(SINTAPPI)
89. SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SEG SOCIAL, SAÚDE, PREV, TRAB E ASS SOCIAL EM MG
(SINTSPREV)
90. SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE BETIM (SINDSERB) MG
91. SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE CARNES. DERIV. CONG NO EST. DE MG
92. FEDERAÇÃO SINDICAL E DEMOCRÁTICA DOS TRABALHADORES METALÚRGICOS DE MINAS
GERAIS MG
93. SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS GRÁFICAS DE JORNAIS E REVISTAS NO EST
DE MG (STIG)
94. SINDICATO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE BH E REGIÃO (SINDEESS)/MG
95. SINDICATO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE DIVINÓPOLIS/MG
96. SINDICATO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE FORMIGA/MG
97. SINDICATO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE ITAJUBÁ/MG
98. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE ITAÚNA E
REGIÃO/MG
99. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE PIRAPORA/MG
100. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE SÃO JOÃO DEL
REI/MG
101. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE GOV
VALADARES/MG
102. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE ARAXÁ/MG
103. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE BARÃO DE
COCAIS/MG
104. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE DIVINÓPOLIS E
REG/MG
105. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE ITABIRA/MG
106. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE ITAJUBÁ E REG/MG
107. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE OURO PRETO/MG
108. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE PATOS MINAS/MG
109. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE LAMBARI/MG
110. SINDICATO DOS METALÚRGICOS E OF. MECÂNICAS E MAT. ELÉTRICO DE VÁRZEA
PALMA/MG
111. SINDICATO METABASE ITABIRA/MG
112. SINDICATO METABASE INCONFIDENTES/MG
113. SINDICATO DOS TRABALHADORES INDÚSTRIA CERÂMICAS MONTE CARMELO/MG
114. SINDICATO DOS TRABALHADORES TÊXTEIS DE SÃO JOÃO DEL REI/MG
115. SINDICATO DOS TRABALHADORES TÊXTEIS DE PIRAPORA/MG
116. SINDICATO DOS TRABALHADORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE JACAREÍ/SP
117. SINDICATO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CÍVIL E DO
MOBILIÁRIO/RR
118. SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ALAGOINHAS/BA
119. SINDICATO DOS TRABALHADORES NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO/PA, AM, MA, AP
120. SINDICATO DOS TRABALHADORES DO PODER JUDICIÁRIO FEDERAL/BA
121. FEDERACAO DEMOCRATICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES E EMPREENDEDORES
RURAIS/PE
122. FEDERAÇÃO DOS EMPREGADOS RURAIS/PE
123. SINDICATO INTERMUNICIPAL AGENTES COMUM. SAÚDE COMBATE ÀS ENDEMIAS DA REG
MATO GRANDE/RN
124. SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE ARARIPINA/PE
125. SINDICATO DOS SERVIDORES PUBLICOS FEDERAIS EM TRABALHO, SAUDE, PREVIDÊNCIA/PR
126. SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE CAPELA/SE
127. SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO MUNICIPAL DE S.J. RIO PRETO/SP
128. ADMAP – ASSOCIAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS APOSENTADOS E PENS. DO VALE DO
PARAÍBA/SP
129. ANEL – ASSEMBLEIA NACIONAL DE ESTUDANTES – LIVRE
130. CSP CONLUTAS PARÁ
131. SINDIAMBIENTAL (PARÁ)
132. MOVIMENTO CABANO – MC
133. OPOSIÇÃO JUDICIAL (PARÁ)
134. OPOSIÇÃO SINDICAL DA EDUCAÇÃO (PARÁ)
135. SINTEPP BELÉM (SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS EM EDUCAÇÃO
PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ – BELÉM)
136. SINDUEPA (SINDICATO DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ)
137. ANDES SN, REGIONAL NORTE II
138. AUFPA – ASSOCIAÇÃO DOS DOCENTES DA UFPA, S.SIND ANDES-SN
139. SINTSEP (SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO PÚBLICO – PARÁ)
140. OPOSIÇÃO STAFPA
141. ANAFE/PA (ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS – PARÁ)
142. SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO MARANHÃO (SEEB/MA)
143. CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES/ MA
144. MOVIMENTO DE OPOSIÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DA PUBLICA DE SÃO LUÍS
(MOPE)
145. SINDEDUCAÇÃO – SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA REDE MUNICIPAL DE
SÃO LUIS.
146. COTEMACS – COLETIVO DAS TRABALHADORAS E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO NO
CAMPO SINDICAL
147. SINDICATO DOS TRABALHADORES NA PESCA E AQUICULTURA (MA)
148. SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MPU(SINTRAJUFE/MA)
149. SINDIPETRO PA/AM/MA/AP
150. FENAMP (FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES DOS MINISTÉRIOS PÚBLICOS
ESTADUAIS)
151. UNIDOS PRA LUTAR
152. ASFUNPAPA (ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNPAPA, BELÉM-PA)
153. SINDICATO DOS SERVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DO AMAPÁ
154. CSP-CONLUTAS DO AMAPÁ
155. FÓRUM SINDICAL E POPULAR DE LUTAS DO AMAPÁ

COMO ENVIAR MOÇÃO DE REPÚDIO

Moções de pessoas e entidades contra a agressão ao povo Ka’apor devem ser enviadas para:

Governo do Estado do Maranhão [email protected]

Secretaria de Segurança Pública: [email protected]; [email protected]

Ministério da Justiça e Segurança Pública: [email protected];  [email protected]

Envie cópia para [email protected]

Sugestão de texto para a moção:
No dia 22/01/2022 uma liderança Ka’apor e um apoiador desse povo foram cercados por carros de Madeireiros que ainda apontaram para a liderança em tom de ameaças no município de Santa Luzia do Paruá-MA, tendo que se abrigarem em um restaurante e depois se dirigir à delegacia de polícia, sem que fossem atendidas. Após pressão de outras lideranças da etnia e entidades parceiras, a PM os escoltou até a comunidade Ka’apor, no município de Nova Olinda do Maranhão. O motivo do atentado é que os Ka’apor estão impedindo os madeireiros de extrair e retirar a madeira já extraída ilegalmente do Território Indígena Alto Turiaçu. Diante de tal fato, requeremos a imediata investigação e prisão desses extratores ilegais, de quem os ameaçou e está planejando, encomendando qualquer atentado a lideranças e família que se encontram no acampamento na área de proteção. Também requeremos ações imediatas no sentido de proteger a vida do povo Ka’apor e de suas lideranças.