Há 95 anos nascia, no bairro da Tijuca (RJ), Antonio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim, ou simplesmente Tom Jobim.

Coincidentemente veio ao mundo pelas mãos do mesmo médico que realizou o parto de Noel Rosa.

A música era bastante apreciada na família Jobim. Um dos seus tios, inclusive, promovia pequenos encontros onde era frequente a participação de cantores importantes.

Quando adolescente, Tom participou de um grupo musical de gaitistas. Já o primeiro contato com o piano se deu em 1940, quando sua mãe alugou o instrumento para auxílio em aulas de música e balé. A partir de então, o jovem Tom começou a dedicar mais tempo e esforço à música. Vendo o interesse do filho, a mãe decidiu contratar um professor particular. Dentre os vários mestres com quem Tom teve aulas, podemos destacar Lúcia Branco (que também foi professora de Arthur Moreira Lima e Nelson Freire). Foi ela também que verificou o talento de Tom para a composição.

Daí em diante, Tom Jobim seguiu os estudos, e nunca mais parou de compor.

Posteriormente, trabalhou como pianista em bares e boates do Rio de Janeiro. Em 1955, através de um convite de Radamés Gnattali, Tom estreia na regência em um programa da Rádio Nacional, executando sua obra “Lenda”.

Uma das primeiras composições de Tom Jobim foi Imagina, bastante influenciada pela música clássica. Entretanto, a letra só apareceu mais de trinta depois em parceria com Chico Buarque. Seu primeiro grande sucesso foi Tereza da Praia, em parceria com Billy Blanco.

Um encontro que realmente mudou a história da música brasileira aconteceu em meados dos anos 1950. Tom trabalha com o poeta Vinicius de Moraes na peça Orfeu da Conceição, uma espécie de transposição para o cenário carioca do mito grego. A canção Se Todos Fossem Iguais a Você projeta Tom e Vinicius no cenário musical nacional.

Na segunda metade da década de 1950, Tom e Vinicius encontram a música de João Gilberto. Nesse contexto, surge a bossa nova. E foi com Elizeth Cardoso como intérprete, no disco Canção do Amor de Demais, que toda essa efervescência vem à tona. Os arranjos de Tom, a poesia de Vinicius e o violão de João Gilberto (que participa em duas faixas do álbum).

Em 1958, Tom e Newton Mendonça compuseram Desafinado, gravada por João Gilberto e, posteriormente, por uma enxurrada de grandes artistas, como Frank Sinatra, Nara Leão, Ella Fitzgerald, Stan Getz e Charlie Byrd.

Maestro soberano

Tom Jobim faleceu de uma parada cardíaca em 1994, ocasionada por uma embolia pulmonar. Anteriormente também havia passado por um processo cirúrgico para extirpar um câncer na bexiga.

A presença do Maestro Soberano na história da música mundial é marcante. Passeando livremente entre o clássico e o popular, a belíssima obra jobiniana é um marco para a MPB, bossa nova e jazz.