Entrevista com o vereador Lázaro, de Florianópolis

O debate realizado na tenda do PSTU nesta quinta-feira à tarde sob o tema “Governo Lula, Um governo em Disputa ou Continuidade do Neoliberalismo” atraiu diversos militantes de vários movimentos sociais. Um deles é o vereador de Florianópolis (SC) e membro do Movimento de Iniciativa Socialista, Lázaro. Acompanhe o depoimento do companheiro que também está engajado no Movimento por um Novo Partido.

Pergunta: Como estão as discussões sobre a necessidade de um Novo Partido em Florianópolis?

Lázaro: O movimento por um novo partido, em Florianópolis, já tem mais de um ano, se chama Movimento de Iniciativa Socialista. Temos feito várias reuniões em torno deste tema. Em Florianópolis, fazemos discussões semanais e, no estado, já realizamos dois encontros com ampla participação. Há um grande movimento em torno da criação de um novo partido de esquerda, com um pensamento voltado à criação mesmo do partido, e não apenas voltado à mera questão do processo eleitoral. Não temos pressa, mas vamos culminar na fundação deste partido.

Pergunta: Qual a importância do FSB neste debate?

Lázaro: É aqui que se encontra quase todos os segmentos do campo social e é aqui que poderemos criar uma ampla articulação sobre a criação do novo partido.

Pergunta: Como o povo de Florianópolis vê estes dez meses de governo Lula?

Lázaro: É decepcionante. Principalmente levando-se em conta que Florianópolis é uma capital administrativa e a maioria dos trabalhadores são funcionários públicos. Existe, dentro do PT, um movimento para botar as coisas no lugar, que tenta ainda fazer o PT voltar ao seu rumo de origem, mas isso tem sido dificultado em virtude das ações do Governo Lula.

Pergunta: Como o senhor vê estes movimentos que tentam ainda “resgatar” as origens do Partido dos Trabalhadores?

Lázaro: No início, quando eu ainda era do PT e companheiros que fazem parte do meu grupo político, achávamos que era possível fazer o partido voltar às suas origens, mas hoje percebemos que isso não é mais possível, não tem mais volta.