Foto: Rodrigo Correia/Sindmetal SJC

Os metalúrgicos da MWL, em Caçapava (SP), ocuparam a fábrica na manhã desta sexta-feira (3), em protesto contra a falta de pagamento dos salários. Cerca de 120 trabalhadores organizados pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região permaneceram durante duas horas na unidade.

Nos primeiros momentos de ocupação, a Polícia Militar entrou na fábrica para pressionar os trabalhadores a saírem. Mas não adiantou. Todos continuaram lá pelo tempo decidido em assembleia. A mobilização começou às 8h e terminou por volta das 10h.

A produção está parada desde o dia 6 de maio, em razão da greve deflagrada pelos trabalhadores. Sem salários, os funcionários cruzaram os braços e foram à luta para exigir o pagamento.

A MWL (antiga Mafersa), de capital chinês, produz rodas e eixos para o setor ferroviário e está em recuperação judicial, mas essa condição não permite que a empresa descumpra direitos trabalhistas.

A situação dos funcionários foi objeto de audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), no dia 26 de maio. A direção da empresa disse que pagaria os salários, mas na verdade descontou os 25 dias de paralisação, levando à continuidade da greve.

A situação de irregularidades e precarização do trabalho na MWL já vem se arrastando há um longo período. Com grande frequência a empresa atrasa salários e FGTS e submete os trabalhadores a condições insalubres. Até mesmo o convênio médico foi cortado pela empresa. Além disso, a fábrica está sem energia elétrica e internet.

“A ocupação é uma resposta à direção da MWL, que está tratando os trabalhadores com absoluto descaso. Vamos exigir o pagamento dos salários e todos os nossos direitos. Não podemos admitir que famílias passem necessidade. A ocupação de hoje terminou, mas a luta continua até que os salários sejam pagos”, afirma o secretário-geral do Sindicato, Renato Almeida.