Ato no Consulado da Argentina em São Paulo protesta contra a repressão do governo Macri e a criminalização das lutas

Fotos Romerito Pontes

Manifestantes se solidarizaram com trabalhadores argentinos e com o militante perseguido Sebastián Romero

Um protesto no início dessa tarde de 21 de dezembro prestou sua solidariedade internacionalista aos trabalhadores da Argentina que lutam contra a reforma da Previdência no país e repudiou a repressão do governo Macri contra os lutadores, assim como a criminalização das lutas, defendendo Sebastián Romero, militante do PSTU-Argentina cujo mandado de prisão foi expedido pelas autoridades do país.

Representante do Consulado se negou a receber manifestantes

A manifestação ocorreu no Consulado da Argentina na Av Paulista e contou com a presença de representantes do PSTU, da CSP-Conlutas e do Sindicato dos Metroviários de São Paulo. Bastante nervoso, o Cônsul Geral Adjunto, Marcos Bednarski, negou-se a receber os manifestantes. Mesmo assim, as entidades deixaram registrado seu repúdio à repressão do governo argentino. “Estamos aqui para protestar contra a brutal repressão que o governo argentino que está lançando contra os trabalhadores que estão lutando em defesa dos aposentados“, afirmou Alex Leme, do Sindicato dos Metroviários de São Paulo.

A luta dos trabalhadores na Argentina é a mesma que a nossa, é contra os ataques dos governos e dos patrões e a criminalização das nossas lutas, e a recusa em conversar com a gente aqui é uma pequena mostra de como o governo Macri trata as manifestações”, afirmou Fábio Bosco, do PSTU-Brasil.

LEIA MAIS

Argentina: Violência é a brutal repressão policial. Não à perseguição de Sebastián Romero e do PSTU