Zé Roberto, professor e militante do PSTU-Itabuna (BA)

Em vídeo divulgado em rede social, o prefeito de Itabuna, Fernando Gomes (PTC), disse que vai abrir o comércio da cidade no próximo dia 9, ”morra quem morrer”. Com 200 mil habitantes. localizada no Sul da Bahia a 436 km de Salvador, Itabuna é a segunda cidade com o maior número de mortes pela covid-19 em todo o Estado [69 óbitos], atrás apenas de Salvador. É a terceira em número de casos confirmados, perdendo apenas para Salvador e Feira de Santana.

O prefeito fez essa declaração genocida após adiar a reabertura do comércio local, prevista para o último dia 1º. A reabertura foi adiada pelo grave cenário ainda reinante no município. Todos os 20 leitos de UTIs estão ocupados.

Indignado com a não reabertura do comércio, o prefeito, esbravejando, afirmou que reabrirá todo o comércio no próximo dia 9, não se importando com o numero crescente de mortes.

Itabuna enfrenta uma situação caótica. Já são casos 2.754 casos confirmados e com 69 mortos, de acordo com o último boletim divulgado ontem pela Secretaria de Saúde do Município. Os cientistas do Consórcio Nordeste, que estão desenvolvendo uma série de estudos sobre a pandemia na região, são contrários a qualquer forma de flexibilização do isolamento social no município.

O prefeito Fernando Gomes faz o jogo dos empresários e lojistas, quem sempre realizam carreata da morte pela reabertura total do comércio, mesmo diante dessa situação de calamidade, com aumento diário do número de mortes e de contaminados. O comércio em Itabuna nunca ficou totalmente fechado, desde que foram tomadas as medidas de isolamento social. Donos de lojas sempre desrespeitaram as medidas de isolamento social, a prefeitura faz vista grossa, não realiza fiscalização nem multa e fecha os estabelecimentos que descumprem a lei.

É estarrecedor e de deixar qualquer um perplexo que diante de uma realidade como essa exista um movimento forte de reabertura total do comércio. Empresários através da CDL, ACI, SINDICOM, órgãos patronais reúnem-se com o prefeito e decidem reabrir o comércio da cidade sem nenhuma condição pra isso. A flexibilização do isolamento social só deve ocorrer quando diminuir a curva de contaminados a um patamar de controle. Não é isso que acontece em Itabuna, nem no Brasil como o todo. O prefeito realiza a mesma política genocida de Bolsonaro.

Aqui em Itabuna, a curva de contaminados segue subindo ao mesmo tempo em que vem diminuindo o pouco de isolamento social que existia. Uma verdadeira política genocida. Querem que todos se contaminem e morram. Só estão preocupados em salvar os seus negócios e seus lucros.

A reabertura total do comércio significa que mais pessoas ficarão expostas a contaminação, mais pessoas vão se contaminar e contaminar outras, e aumentará enormemente o número de hospitalizados. Com a falta de leitos, teremos um número cada vez mais acentuado de mortes e muitos doentes sem conseguir atendimento médico.

Enfim, a reabertura total do comércio aumentará e a abertura de covas. É preciso uma ação imediata dos movimentos sociais para barrar essa medida criminosa e genocida do prefeito e de empresários. O Sindicato dos Comerciários, a OAB, Ministério Público tem que intervir imediatamente para impedir essa reabertura da morte. Temos que lutar e exigir quarentena total em Itabuna, já!