Por que não vamos aos atos em defesa de Lula

Foto: PT

No dia 24 ocorre o julgamento de Lula em segunda instância, no TRF4 de Porto Alegre, em um dos nove ou dez processos que carrega, envolvendo o tema corrupção.

Com o lema “em Defesa da Democracia” e “eleição sem Lula é fraude”, o PT, PCdoB, PSOL, MST, MTST e todos que fazem parte da Frente Brasil Popular e da Frente Povo Sem Medo, têm como centro da sua atividade chamar a classe trabalhadora e as massas populares  a realizarem mobilização em Porto Alegre e atos em todo o país, em defesa de Lula e de sua candidatura à presidência do país.

Essa mobilização é também apoiada por um manifesto com assinaturas de personalidades, incluindo Paulinho da Força Sindical e a maioria das demais centrais (exceto a CSP-Conlutas), vídeos, como de Renan Calheiros (PMDB-AL), Eunício de Oliveira (PMDB-CE), e até declarações dos principais expoentes políticos da burguesia, como Temer, Alckmin e Fernando Henrique Cardoso.

Nós reafirmamos que não é tarefa da classe trabalhadora participar de atos em defesa de Lula, nem em atos contra Lula. As tarefas necessárias da classe trabalhadora hoje são se unir numa Greve Geral para enterrar de vez a reforma da Previdência contra Temer e esse Congresso corrupto e construir uma alternativa de independência de classe e socialista para que os debaixo derrubem os de cima e possam governar contra os exploradores.

O PSOL (e a maioria de suas correntes de esquerda), diz que “não é lulista”, que “não apóia o programa” e a “candidatura Lula” (em 1º turno, seria bom dizer!), mas chamam a mobilização em defesa do seu direito de se candidatar.

Dizem ter diferenças com o PT mas que estariam em campanha em defesa da candidatura Lula nas eleições porque, caso ele não possa ser candidato, estaria havendo um golpe contra “a democracia”. Se Lula for condenado, ou, em função disso, não puder ser candidato, dizem, será o “aprofundamento do golpe”.  O julgamento seria uma mera perseguição política, de “cartas marcadas”, sem provas, visando apenas tirá-lo da eleição no tapetão, enquanto outros corruptos vão poder concorrer.

Lutam, então, pela absolvição de Lula ou para que ele possa concorrer em qualquer circunstância. Quer dizer: que ele possa ser “julgado” apenas eleitoralmente e não judicialmente. Caso isso não ocorra, para uns aprofundaria o “Estado de Exceção” (uma ditadura) em que supostamente estaríamos, para outros estaríamos entrando em tal Estado, rompendo com o “Estado Democrático de Direito”. Curioso é que tanto a lei da delação premiada, como a lei da ficha limpa (que é o que pode em tese tornar Lula inelegível, se condenado) foram aprovadas sob os governos do PT,  com o apoio do PT, e fazem parte, portanto, do arcabouço do “Estado de Direito” da burguesia, que o PT ( e o PSOL) tanto defendem. A não ser que estivéssemos sob “Estado de Exceção” sob os governos de Lula e Dilma e ninguém soubesse.

Não estávamos e não estamos agora. Se tivéssemos, e o que estivesse em questão fosse a não existência do direito de defesa ou a pura cassação política de um setor mesmo que meramente democrático como uma ação de modificação de todo o regime político, se justificaria se mobilizar por isso. Mas não é isso que está ocorrendo.

Lula está com seu direito de defesa garantido. Mesmo que possam ocorrer arbitrariedades ou ilegalidades em alguma instância do judiciário, Lula tem “n” recursos em todas as instâncias. Não está sequer de antemão definido que, se condenado, não poderá se candidatar. Aliás, do ponto de vista político da maioria da burguesia, a preferência é por que possa se candidatar. O fato de não contar hoje, pelo menos por enquanto, com a preferência eleitoral da maioria da burguesia, não quer dizer que não tenha apoio e alianças com empresários e políticos burgueses importantes. E sequer pode ser descartado que venha ter apoio, inclusive eleitoral, muito mais amplo, se sua candidatura se viabiliza, pois, a burguesia tem plena confiança de que Lula não é nenhuma ameaça sequer ao neoliberalismo, muito menos ao capitalismo. Aliás, já está aí uma nova carta do PT ao mercado, ops, ao povo brasileiro.

Outra coisa é que na crise atual tenham controle total da justiça.

Mas, insistimos, não é tarefa da classe trabalhadora por a mão no fogo pela inocência de Lula, nem impedir que seja investigado e julgado por denúncias de corrupção. Os trabalhadores devem exigir que todos os corruptos e corruptores sejam julgados e não que Lula, se tem denúncias, não seja. Tampouco devemos confiar na justiça burguesa ou acreditar que é justa. Mas, Lula e o PT governaram com e para a burguesia durante todo o tempo, por que não devem ser julgados pela justiça burguesa pelas ações que fizeram junto e com a burguesia? Devem ter, sem dúvida, todo direito e garantias para sua defesa que qualquer um teria e estão tendo.

Um dos eventos de convocação para o ato em defesa de Lula em SP

Somar-se hoje aos atos pró-candidatura de Lula, como se estivesse em questão o regime democrático burguês no país, é de conteúdo dar apoio político a um dos campos burgueses em disputa: o campo de colaboração de classes puxado pelo PT e por Lula (composto também por Renan Calheiros e tantos outros). Dizer que Lula não pode ser julgado, nem investigado e muito menos condenado na justiça burguesa, porque seria supostamente um “representante” da “classe”, “do povo” ou de um campo “progressista” é uma enorme deseducação para o proletariado.

É praticamente dizer que o PT teria feito um governo contrário à burguesia em prol da classe trabalhadora e não um governo com os mesmos bandidos que compõem o governo atual de Temer, ao serviço dos bancos, das construtoras, das grandes fábricas, do agronegócio. É preciso lembrar que Temer era vice da Dilma, que Geddel, o das malas de dinheiro, Padilha, Moreira Franco e toda essa corja eram da base do governo do PT.

A justiça é burguesa e parcial? Mas claro que é! O “Estado de Direito” da burguesia tem todo dia, uma justiça parcial, formal, injusta. Nós não temos nenhuma ilusão nesta justiça dos ricos. Não fosse assim, Rafael Braga e quase metade dos 700 mil presos do país (a maioria presa sem antecedentes criminais, não só sem sem provas, mas sem julgamento) não estariam na cadeia e nenhuma madame conseguiria colocar na prisão uma pobre empregada doméstica por furtar uma lata de ervilha. É bom recordar que boa parte disso aconteceu sob os governos do PT e o “Estado de Direito” que ele defende. O PSOL e o PT querem que a classe trabalhadora acredite que pode ter uma justiça justa no capitalismo.

Nós não defendemos a justiça burguesa e não a consideramos imparcial, nem isenta de arbitrariedades. Mas não achamos que os governantes da burguesia não devam ou não possam ser julgados por ela. Defender o contrário é defender ainda maior impunidade para o andar de cima.

Outra coisa é defender as liberdades democráticas, que conquistamos ao derrubar a ditadura: os direitos civis, as liberdades de expressão, de manifestação, de organização, de imprensa e também as garantias individuais, como o direito de defesa. Pelo contrário, interessa muito aos trabalhadores a preservação de liberdades democráticas. E vamos estar sempre na primeira linha de defesa delas (e, sim, o avanço do autoritarismo e da repressão estão fazendo  as liberdades  para os lutadores e os pobres retrocederem, especialmente depois de 2013). Mas, não em função da investigação de casos de corrupção.  E sim contra os pobres e os que lutam. E nesse quesito, o PT no governo atuou fortalecendo o autoritarismo e a repressão contra os debaixo, com a lei antiterrorismo e outras medidas contra os movimentos.

O PT, que considera a enorme mobilização de 2013 reacionária, considera autoritarismo as investigações, julgamentos e prisões contra corruptos e corruptores. Nós pensamos que prender e confiscar os bens de todos os corruptos e corruptores é uma medida democrática.  Nós defendemos que todos os corruptos e corruptores deveriam ser investigados, julgados e presos, terem seus bens confiscados e as empresas deveriam ser expropriadas e colocadas sob controle dos trabalhadores.

Embora não achamos que a justiça burguesa vai garantir isso, justamente porque a corrupção faz parte do sistema capitalista, nem por isso defendemos a impunidade.

O PT e qualquer um tem direito de fazer a mobilização que queira em defesa de Lula ou não. Nesse sentido, condenamos um editorial do jornal O Globo de dias atrás que debitava ao PT problemas de segurança que pudessem vir a ocorrer em manifestação em Porto Alegre. Isso não tem nada a ver. O PT, ou quem quer que queira, tem o direito de se manifestar e, se existir problema de segurança, esse é do governo e das suas forças de repressão.

Agora, colocar a defesa da candidatura Lula (e também da sua campanha eleitoral), como se fosse necessidade dos trabalhadores e de defesa das liberdades democráticas são outros quinhentos. Não são.

Aos trabalhadores interessa derrotar os planos do governo Temer (que são os do “mercado”, continuidade dos da Dilma) e também construir uma alternativa da classe, independente da burguesia.  Atrelar os trabalhadores a essa campanha os desvia duplamente das suas tarefas: das imediatas e das estratégicas. A classe não tem porque se somar aos atos em defesa de Lula e nem aos do outro bloco burguês, do MBL, contra Lula.

É pura demagogia e enganação o chamado que grupos como o MBL fazem pela prisão de Lula. Os setores que chamam esses atos apoiam o PSDB, o MDB e todos os corruptos do governo Temer. Se é para pedir prisão de alguém, deveriam começar pelo próprio Temer, além de Aécio, FHC, Alckmin, e todos os corruptos.

Agora, somar-se ao PT na mobilização em defesa de Lula e de sua candidatura, assegurando que é inocente, ou que não pode ser investigado e julgado pela justiça burguesa, ou que não pode se submeter à lei, é dar aval aos seus governos e ser conivente com o campo burguês de conciliação de classes que continua representando.

O PT governou o país por 14 anos com esse antro de bandidos do governo atual (é preciso recordar que o Temer era vice da Dilma) e continua aliado com boa parte dos supostos “golpistas”. É uma história mal contada dizer que só o PT caiu na rede da Lava Jato, porque também o PMDB e o PSDB (o PP e mais alguns) estão envolvidos. É notório, além do mais, que há uma verdadeira frente única entre todos eles em defesa de abafar as investigações. Isso incluiu até a defesa comum entre PT, PSDB e PMDB no julgamento do TSE que poderia derrubar Temer. Se consideram que está sobrando mais pro lado do PT, deviam exigir mais investigação para o restante e não impunidade geral.

A verdade é que o PSOL e demais correntes que hoje têm no seu centro a construção de atos em defesa de Lula se vêm como parte deste mesmo campo lulista de colaboração de classes, mesmo com diferenças em algumas propostas e alianças. São sua ala esquerda, nos limites da ordem. Com certeza vão, mais uma vez, orientar o voto em Lula no segundo turno (se não o apoiarem já no primeiro), se sua candidatura se viabiliza.

Insistimos que a primeira tarefa da classe trabalhadora é unir-se na luta, numa Greve Geral para enterrar de vez essa reforma da Previdência contra Temer e esse Congresso. Em segundo lugar é preciso construir uma alternativa de independência de classe, dos debaixo contra os de cima e não ficar prisioneiros, de novo, de um bloco com banqueiros e construtoras em prol dos interesses deles e do enriquecimento de alguns. Para tal é fundamental completar a ruptura que a classe começou com Lula e com o PT, que longe de transformarem o Estado burguês foram transformados profundamente por ele.

E quanto aos corruptos e corruptores devemos seguir defendendo a prisão e confisco dos bens de TODOS eles.