Polícia lança bombas nos manifestantes

Manifestante é preso
Marcello Casal Jr / ABR

Há cerca de dez minutos, a tropa de choque da Polícia Militar avançou sobre os manifestantes em frente ao MASP. Os cerca de dez mil pessoas presentes esperavam para prosseguir com o ato contra Bush.

Após uma discussão entre um grupo de jovens e policiais, do outro lado da pista, a tropa de choque avançou, e lançou quatro bombas sobre a grande coluna de manifestantes, abrindo um clarão no meio da passeata.

A partir daí, a tropa de choque continuou com agressões lançando mais bombas. Subiu na avenida uma grande nuvem de fumaça. A repressão é geral. Muitas mulheres foram feridas pela agressão da polícia. De acordo com informação da coordenação do ato, que está no carro de som, há uma companheira gravemente ferida, e neste momento estão chamando socorro médico para atendê-la.

A repressão não poupou nem o jovem Marcio de Oliveira, que anda com auxílio de muletas e que levou um tiro de bala de borracha na mão: “Eu estava no meio da manifestação quando levei um tiro. Agora não consigo nem me apoiar na muleta“.

Do alto do carro de som da Conlutas, Zé Maria protestou contra a agressão selvagem da tropa de choque e pediu para os manifestantes não dispersarem.

O PSTU repudia a arbritariedade da polícia e afirma que isso não impedirá as manifestações contra a vinda de George W. Bush ao Brasil.