Mayke Toscano Secom/MT

O Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais do Departamento de Meteorologia (Lasa), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), aponta que o Pantanal já registra o mesmo patamar de área destruída pelo fogo no mesmo período do ano passado. No terceiro ano seguido de seca, a maior planície alagável do mundo sofre o pior desastre ambiental da história.

Desde o início do ano até o último sábado, 21/08, o fogo havia consumido 261.800 hectares, o equivalente a dois municípios do Rio de Janeiro. É praticamente a mesma área queimada durante o mesmo período do ano passado (265.300 hectares).

A preocupação é que ainda estamos no mês de agosto e os índices históricos de destruição já estão sendo superados, o que acende um sinal de alerta, pois setembro é historicamente o mês com mais focos de incêndio.

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, Márcio Yule, coordenador em Mato Grosso do Sul do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), afirmou que neste ano, “o Pantanal secou mais do que o ano passado”.

Pátria Queimada Brasil

O Brasil é líder no ranking mundial da destruição de florestas. De acordo com a organização Global Forest Watch, em 2020 o Brasil destruiu 1,7 milhão de hectares, área três vezes maior que a destruída pelo Congo, o segundo colocado.

No governo Bolsonaro, voltamos a conviver com a intensificação das queimadas, derrubada de florestas, instalação de garimpos ilegais, assassinatos e perseguições a povo indígenas e pequenos agricultores rurais. Acompanhado de um desmonte dos órgãos públicos ligados ao meio ambiente, como o Ibama e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que mês passado perdeu a função de divulgação dos dados de queimadas. Tal política, tem o objetivo de controlar as informações sobre incêndios e desmatamentos no país, e enfraquecer o órgão.

O resultado dessa política reacionária é o aumento no número de alertas de queimadas. O dados do Inpe informa que somente no último mês de julho, os alertas somaram 1.416 km² de área. A Amazônia teve a segunda pior temporada em cinco anos.

O primeiro semestre de 2021 teve a maior área sob alerta de desmatamento em seis anos. Foram 3.609 km² entre 1º de janeiro e 30 de junho (mais de 2 cidades de São Paulo), índice superior ao dos anos anteriores.

Março, abril, maio e junho de 2021 foram meses com índices recordes de desmatamento. Além da derrubada da floresta (94% de maneira ilegal), a Amazônia enfrentou o maior número de focos de queimadas em 14 anos para o mês de junho.

Defender nossas florestas contra Bolsonaro

Bolsonaro impõe uma barbárie ambiental em nosso país. O presidente genocida incentiva o avanço do desmatamento, do garimpo e das queimadas com seu discurso, com a perseguição a cientistas e aos órgãos ambientais e com o desmonte de todo o serviço público voltado à área.

Persegue e mata indígenas, quilombolas e pequenos agricultores rurais, em conluio com seus aliados grileiros, garimpeiros e latifundiários, que formam a milícia do campo. Eles têm uma política de extermínio da floresta e do povo que dela depende.

A luta em defesa de nossas florestas e dos povos tradicionais é parte da luta pelo “Fora Bolsonaro e Mourão”. Temos que seguir nas ruas, em defesa do meio ambiente e da população indígena, ribeirinha, quilombola e pequenos agricultores rurais.

A defesa da Amazônia, do Pantanal e todos os nossos biomas é uma tarefa dos trabalhadores e de suas entidades representativas. Ela envolve ações para o presente e para o futuro. O capitalismo é predatório por sua natureza. Não existe possibilidade de desenvolvimento sustentável dentro dele.

O processo de acumulação ampliada de capital impõe uma apropriação cada vez mais voraz da natureza para transformá-la em mercadoria, em lucro. Isso compromete nosso futuro.

A defesa consequente do meio ambiente deve ser feita conjuntamente coma a luta contra a exploração capitalista e pelo estabelecimento do socialismo. É uma tarefa civilizatória e urgente.

Leia também

Novo relatório do IPCC expõe a catástrofe climática provocada pelo capitalismo